Jornais europeus manifestam apoio à reeleição de Obama

segunda-feira, 5 de novembro de 2012 18:17 BRST
 

LONDRES, 5 Nov (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, recebeu nesta segunda-feira o pouco retumbante apoio de jornais europeus, os quais concluíram que ele conseguiu fazer o estritamente necessário para merecer a reeleição diante de um desafiador republicano propenso a oscilações.

O apoio dessas publicações ao democrata se baseou mais no que ele evitou --uma depressão econômica nos Estados Unidos-- do que no que ele realizou.

O Financial Times, de Londres, considerou que a campanha de Obama à reeleição foi pouco inspirada, em contraste com o triunfo de 2008, quando ele se tornou o primeiro presidente negro na história dos Estados Unidos.

"Numa campanha avessa a riscos, dominada por consultores políticos, ambos os homens demonstraram pobreza de ambição", disse o jornal conservador.

O também londrino The Times afirmou que Obama fez uma campanha cansada, e que foi difícil notar qualquer apetite dele por um segundo mandato, ao passo que Romney se provou um candidato capaz e confiável.

"O presidente Obama perdeu a campanha, e seu desempenho tem muitos buracos. Mas ele fez o estritamente necessário para ganhar um segundo mandato", disse o Times.

Outro jornal britânico, o Guardian, não escondeu sua decepção com o presidente, quatro anos depois de sua eleição marcar "um momento americano quase redentor, de cair o queixo".

"O desempenho certamente não é perfeito, mas ele foi tão bem quanto qualquer um poderia esperar de forma razoável", disse editorial do jornal esquerdista.

Na França, o Le Monde também ofereceu elogios comedidos, qualificando o presidente como "nem sempre brilhante, mas sólido".   Continuação...

 
Chocolates com os rostos do presidente dos EUA, Barack Obama (direita), e o candidato Republicano à presidência, Mitt Romney, são apresentados em uma caixa de chocolates em Paris, na França. Obama recebeu o pouco retumbante apoio de jornais europeus, os quais concluíram que ele conseguiu fazer o estritamente necessário para merecer a reeleição diante de um desafiador republicano propenso a oscilações. 12/10/2012 REUTERS/Christian Hartmann