SAIBA MAIS-Obama e Romney divergem sobre China e outros temas comerciais

segunda-feira, 5 de novembro de 2012 20:27 BRST
 

Por Doug Palmer

WASHINGTON, 5 Nov (Reuters) - A polêmica relação comercial entre Estados Unidos e China foi um dos principais temas da campanha eleitoral norte-americana deste ano, na qual o presidente Barack Obama defendeu sua atuação e o desafiador Mitt Romney prometeu uma abordagem mais dura.

A seguir, uma comparação entre as posições de Romney e Obama a respeito da China e de outras questões comerciais.

EUA-CHINA

O déficit comercial dos EUA com a China tem disparado sob governos democratas e republicanos, saltando de 6 milhões de dólares em 1985 para um recorde de 295 bilhões de dólares em 2011. Isso reflete tanto a ascensão da China na indústria global como também a maior participação dos consumidores na economia norte-americana.

O escritório de Representação Comercial dos EUA já abriu 15 processos contra a China na Organização Mundial do Comércio (OMC). Oito foram iniciados pelo governo Obama desde sua posse, em janeiro de 2009. Os outros sete datavam do período do republicano George W. Bush.

Neste ano, Obama criou um grupo específico para fiscalizar a adesão da China e de outros países às regras comerciais. Mas Romney diz que Obama não é suficientemente agressivo na contestação a práticas comerciais chinesas irregulares. Ele prometeu usar a ameaça de sanções comerciais e uma ação coordenada com países aliados para obrigar a China a cumprir as regras comerciais globais.

Romney diz que os EUA não precisam aceitar "um déficit comercial enorme e aparentemente perpétuo" com a China, e que as empresas norte-americanas deveriam ter na China a mesma liberdade comercial que companhias chinesas têm nos EUA.

CÂMBIO   Continuação...

 
Presidente norte-americano e candidato à reeleição, Barack Obama, fala enquanto seu rival Mitt Romney escuta durante debate presidecial em Boca Raton, na Flórida. A polêmica relação comercial entre Estados Unidos e China foi um dos principais temas da campanha eleitoral norte-americana deste ano, na qual Obama defendeu sua atuação e Romney prometeu uma abordagem mais dura. 22/10/2012 REUTERS/Rick Wilking