Quase metade dos britânicos quer saída da UE, indica pesquisa

quinta-feira, 8 de novembro de 2012 16:09 BRST
 

LONDRES, 8 Nov (Reuters) - Quase metade dos britânicos votaria em um referendo pela saída da União Europeia e menos de um terço defenderia a permanência do país no bloco, de acordo com uma pesquisa que expôs as divisões enfrentadas pelo primeiro-ministro David Cameron.

O instituto de pesquisas YouGov disse na quinta-feira que 49 por cento foram favoráveis à saída da UE, 28 por cento votariam pela permanência no bloco de 27 nações, 17 por cento estavam indecisos e o restante não votaria.

O líder britânico enfrenta uma pressão crescente por parte dos rebeldes dentro do partido dele para que adote uma posição mais dura com Bruxelas quando participar de conversações sobre o orçamento da UE este mês.

Ele também enfrenta uma contestação cada vez maior por parte do Partido da Independência do Reino Unido, anti-UE, e atitudes mais duras contra Bruxelas em uma época de austeridade e preocupações com a crise da dívida da zona do euro.

Os resultados do YouGov --baseados em entrevistas com 1.637 adultos no fim de outubro-- estão em linha com outras pesquisas e têm sido constantes este ano. Uma sondagem parecida com mil alemães indicou que 57 por cento queriam permanecer na UE e 25 por cento gostariam de sair do bloco.

Cameron conversou sobre a UE em Londres na quarta-feira com a chanceler alemã Angela Merkel, que advertiu a Grã-Bretanha para que o país não vire as costas para a Europa.

"Cameron deve tentar ser percebido como um membro construtivo da União, e ao mesmo tempo satisfazer a opinião pública no próprio país", disse Joe Twyman, diretor de pesquisa política e social do YouGov.

A atitude frequentemente morna da Grã-Bretanha com relação a Europa desagrada a muitos no bloco e alimenta rumores sobre a saída de Londres do clube ao qual se uniu em 1973. A Grã-Bretanha fez um referendo em 1975 sobre a adesão ao predecessor da UE, com 67,2 por cento dos eleitores votando a favor e 32,8 por cento contra.