China nega entrada de monitores de direitos humanos estrangeiros no Tibet

sexta-feira, 9 de novembro de 2012 12:48 BRST
 

Por Sui-Lee Wee

PEQUIM, 9 Nov (Reuters) - A China não vai permitir a entrada de observadores estrangeiros no Tibet para investigar abusos de direitos humanos, afirmou uma autoridade na sexta-feira, ignorando a crescente pressão internacional por uma investigação independente na conturbada região montanhosa.

Cerca de 68 tibetanos atearam fogo ao próprio corpo desde março de 2011 em protesto contra o domínio chinês sobre regiões tibetanas. Pelo menos 56 morreram, de acordo com grupos de direitos humanos tibetanos.

A maior autoridade para os direitos humanos da Organização das Nações Unidas, Navi Pillay, pediu à China na semana passada que permita a visita de monitores independentes de direitos humanos ao Tibete para tratar dos profundos desapontamentos com a região.

Uma autoridade chinesa designada disse, no entanto, que isso não iria acontecer.

"Esperamos que (as pessoas) de todos os campos dentro e fora do país vão com frequência ao Tibet para passear, estudar e viajar, mas para alguns outros aspectos, não somos tão acolhedores", disse o presidente da assembleia regional do selo de borracha do Tibet, Qiangba Puncog.

"(Aqueles) que pensam que existem problemas no Tibet, problemas de direitos humanos, que arrogantemente querem perseguir investigações para usar essas situações para propor a entrada no Tibet, temo que seja inadequado", disse ele a repórteres nos bastidores do Congresso do Partido Comunista.

Os comentários foram feitos ao mesmo tempo em que o governo exilado do Tibet declarou que milhares de estudantes tibetanos saíram às ruas na sexta-feira no condado de Rebkong, no leste da província de Qinghai, após um jovem da região se imolar e morrer na quinta-feira.

Um total de sete tibetanos se imolaram nos últimos seis dias, de acordo com o grupo de direito humanos tibetano Campanha Internacional pelo Tibet, a maior índice de imolações desde que a onda de manifestações contra a China começou.

China chamou aqueles que se imolaram de "terroristas" e criminosos e culpou os tibetanos exilados e o líder espiritual exilado, Dalai Lama, por incitá-los, acusações que ele nega.

(Reportagem adicional de Hui Li)