Premiê italiano prefere não continuar no cargo após eleições

segunda-feira, 12 de novembro de 2012 14:02 BRST
 

MILÃO, 12 Nov (Reuters) - O primeiro-ministro da Itália, Mario Monti, disse nesta segunda-feira que prefere não ficar no cargo depois das eleições de abril, apesar dos apelos generalizados para ele continuar.

Monti foi nomeado como líder de um governo tecnocrata em novembro passado, quando a crise financeira impulsionou a dívida do governo italiano para níveis que tinham provocado pedidos de resgate de outros países da zona do euro. O mandato de seu governo termina em março.

Questionado em um evento organizado pelo Financial Times em Milão se ele gostaria de ficar no cargo, ele disse: "Não.".

Em setembro, Monti afirmou que, diante de um senso de responsabilidade para com o país, ele continuaria liderando o governo se a eleição não produzisse um líder com uma clara maioria.

"Eu estou vendo que muitas pessoas imaginam um cenário como esse", disse ele, respondendo a uma pergunta sobre se ele comandaria um novo governo. "Alguns gostam e outros não gostam. Eu não tenho uma opinião sobre isso."

Pesquisas de opinião recentes mostram que nenhum partido ou aliança de partidos iria ganhar mais do que 32 por cento dos votos se a eleição fosse agora.

A comunidade empresarial da Itália e muitos políticos apoiam um segundo mandato para Monti para garantir reformas estruturais que ele lançou e manter a confiança dos mercados financeiros na economia.

Quando perguntado sobre os mercados financeiros, Monti disse que os spreads dos bônus do governo haviam reduzido drasticamente durante o último ano e poderiam cair ainda mais.

"Eu não vejo nos fundamentos italianos nenhuma razão pela qual o spread deve ser superior a 150 pontos-básicos", disse ele.

Nesta segunda-feira, os bônus italianos de 10 anos eram negociados a cerca de 365 pontos-básicos sobre os Bunds alemães de 10 anos, após atingirem o recorde da zona do euro de 570 pontos-básicos em dezembro passado.

(Reportagem de Francesca Landini)

 
O primeiro-ministro Mario Monti chega para sessão do plenário no segundo dia de reunião Ásia-Europa., no Vietnã. Foto de Arquivo. Monti disse nesta segunda-feira que prefere não ficar no cargo depois das eleições de abril, apesar dos apelos generalizados para ele continuar. 06/11/2012 REUTERS/Damir Sagolj