Próxima guerra de Israel deve ser em Gaza, e não na Síria

segunda-feira, 12 de novembro de 2012 16:15 BRST
 

Por Douglas Hamilton

JERUSALÉM, 12 Nov (Reuters) - Se Israel entrar em guerra com qualquer um de seus vizinhos antes do fim do ano será com Gaza e não com a Síria, apesar das aparências.

O Exército israelense disparou contra a Síria na segunda-feira pelo segundo dia consecutivo, depois que um morteiro sírio do confronto com os rebeldes atingiu a região das Colinas de Golã, controlada por Israel.

O míssil israelense de domingo foi um tiro de advertência. O disparo de um tanque na segunda-feira foi um tiro certeiro, disse o Exército. Não houve nenhum comentário imediato sobre vítimas. Mas foi a "mensagem" que Israel alertara que viria.

"Houve cinco incidentes com suposto fogo errante proveniente de armas pequenas ou morteiros", disse o ministro de Assuntos Estratégicos israelense, Moshe Yaalon, à Rádio do Exército na segunda-feira antes do segundo incidente.

"Enviamos mensagens verbais. Isso não ajudou. Assim, ontem, pela primeira vez, enviamos uma mensagem física", acrescentou ele. "Se a mensagem for compreendida, bom. Se ela não for entendida, precisaremos enviar outras mensagens do tipo."

Os rebeldes sírios que lutam para derrubar o presidente Bashar al-Assad estão em confronto com o Exército há meses em cidades dentro e perto da área de separação entre Israel e Síria, ao longo da linha desmilitarizada estabelecida ao final de uma guerra entre os dois países em 1973.

Tecnicamente, eles ainda estão em guerra, mas é uma guerra fria.

Durante quase 40 anos, o Golã foi um dos fronts mais tranquilos de Israel. Apesar da vista privilegiada que têm da guerra civil na Síria a partir de postos avançados nas Colinas de Golã, os generais israelenses não acreditam que as coisas esquentem no norte do país.   Continuação...