Igreja católica da Austrália assume "vergonha" de abuso sexual

terça-feira, 13 de novembro de 2012 11:09 BRST
 

Por James Grubel

CANBERRA, 13 Nov (Reuters) - O chefe da Igreja Católica da Austrália reconheceu a "vergonha" do abuso sexual infantil entre o clero e acolheu uma investigação abrangente, nesta terça-feira, mas também advertiu que a extensão do problema dentro da igreja tinha sido exagerada.

Na segunda-feira, a premiê Julia Gillard ordenou uma rara Comissão Real, a mais alta forma de investigação na Austrália, sobre como as igrejas, órgãos governamentais e outras organizações têm lidado com possivelmente milhares de acusações de abuso sexual de crianças.

O único cardeal da Austrália, George Pell, disse que a Igreja iria cooperar plenamente com o novo inquérito, o que pode obrigar as testemunhas a prestarem depoimento e produzirem documentos, e que ele não acreditava que a Igreja Católica foi o autor principal.

"Nós não estamos interessados ​​em negar a extensão do delito na igreja católica. Nós nos opomos a ser algo exagerado, nós contestamos ser descrito como 'se a Igreja fosse a única'", disse Pell, que também é arcebispo de Sydney.

"Reconhecemos, com vergonha, a extensão do problema e eu lhes quero garantir que temos sido sérios na tentativa de erradicá-lo e lidar com ele", disse a jornalistas em Sydney.

Gillard convocou o inquérito em face da crescente pressão política depois de relatos de que ordens dentro da Igreja Católica tinham encoberto acusações de abuso sexual e impedido investigações policiais durante várias décadas em Nova Gales do Sul e Victoria, os dois Estados mais populosos da Austrália.

Pell também disse que os padres deveriam se recusar a ouvir confissões de supostos agressores de crianças para garantir que os sacerdotes não fiquem presos ao sigilo do confessionário.

"Se o padre sabe de antemão sobre tal situação, o sacerdote deve se recusar a ouvir a confissão, este seria o meu conselho. Eu nunca ouviria a confissão de um padre que fosse suspeito de uma coisa dessas ", afirmou o sacerdote.

O ex-policial Peter Fox provocou um protesto nacional na semana passada, quando alegou que a Igreja Católica havia encoberto abusos cometidos por sacerdotes em Hunter Valley, região ao norte de Sydney. Suas acusações levaram a uma nova investigação que está sendo convocada.

A Igreja Católica é a maior da Austrália, com 5,4 milhões de fiéis, representando cerca de um em cada quatro australianos.

 
Cardeal George Pell reconheceu "com vergonha" a gravidade das acusações de abuso sexual. 20/11/2009 REUTERS/Daniel Munoz