Dalai Lama pressiona China a investigar autoimolações de tibetanos

terça-feira, 13 de novembro de 2012 11:19 BRST
 

TÓQUIO, 13 Nov (Reuters) - O Dalai Lama, líder espiritual do Tibet no exílio, pediu nesta terça-feira a parlamentares japoneses que visitem sua região, e disse que a China deveria investigar dezenas de autoimolações de tibetanos.

"Sempre peço ao governo chinês: por favor, agora, investiguem minuciosamente. Qual é a causa desse tipo de coisa triste", disse o ganhador do Nobel da Paz a parlamentares japoneses.

Desde março de 2011, cerca de 60 tibetanos atearam fogo a si próprios em protesto contra o domínio chinês em sua região.

Pequim diz que o Tibet, sob seu controle desde 1959, é parte integral da China, e que outros países que recebem o Dalai Lama estão interferindo indevidamente em assuntos internos chineses.

"O Dalai Lama é um exilado político que há muito tempo se envolve em atividades separatistas anti-China à guisa de religião", disse Hong Lei, porta-voz da chancelaria chinesa, em conversa diária com jornalistas.

"O governo japonês tem sido conivente com as atividades separatistas do Dalai Lama e com as forças de extrema-direita japonesas, o que vai contra o princípio e o espírito das relações estratégicas de mútuo benefício entre China e Japão", disse Hong.

O Dalai Lama diz ser a favor de mais autonomia para o Tibet, mas não da independência.

As declarações do líder budista em Tóquio ocorrem num momento de crescente tensão entre Japão e China por causa da disputa por ilhas desabitadas no mar do Leste da China.

Enquanto o Partido Comunista realiza um congresso que está definindo a sucessão no regime chinês, o que acontece a cada dez anos, o Dalai Lama voltou a pedir reformas no país, citando como exemplo a liberalização econômica implementada há três décadas pelo dirigente Deng Xiaoping.

"Sempre expresso que os líderes deveriam seguir o conselho de Deng Xiaoping: buscar a verdade a partir do fato. Isso é importantíssimo", afirmou.

(Reportagem de Lisa Twaronite)

 
Líder espiritual tibetano Dalai Lama pediu a parlamentares japoneses que visitem sua região e que o governo chinês investigue dezenas de autoimolações de tibetanos. 13/11/2012 REUTERS/Yuriko Nakao