ONU pede que EUA suspendam embargo a Cuba pelo 21o ano

terça-feira, 13 de novembro de 2012 20:05 BRST
 

NAÇÕES UNIDAS, 13 Nov (Reuters) - Repetindo um ritual anual, a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) pediu nesta terça-feira aos Estados Unidos que suspendam seu embargo comercial a Cuba, prática comparada pelo chanceler da ilha comunista a um "genocídio".

Pelo 21o ano consecutivo, a assembleia, composta por 193 países, aprovou a medida por uma expressiva maioria de 188 votos, incluindo alguns importantes aliados de Washington. É um resultado que tem se repetido de forma quase idêntica ao longo dos anos.

Os únicos três votos contrários vieram da própria delegação norte-americana, de Israel e da pequena nação insular de Palau, no Pacífico. As Ilhas Marshall e a Micronésia, também no Pacífico, se abstiveram. A resolução não é de cumprimento obrigatório.

Nos últimos anos, o governo do presidente norte-americano, Barack Obama, atenuou algumas restrições a Cuba, mas disse que novas medidas dependem de contrapartidas de Havana, como a libertação de presos políticos e garantias para os direitos humanos.

Mas Obama manteve o embargo comercial em vigor há meio século.

O chanceler cubano, Bruno Rodríguez, disse que a eleição de Obama, em 2008, havia despertado a expectativa de derrubada do bloqueio econômico, mas que "a realidade é que os últimos quatro anos foram caracterizados pelo persistente endurecimento" do embargo.

(Reportagem de Louis Charbonneau)

 
Chanceler cubano, Bruno Rodríguez, fala durante coletiva de imprensa em Havana, em setembro. Repetindo um ritual anual, a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) pediu nesta terça-feira aos Estados Unidos que suspendam seu embargo comercial a Cuba, prática comparada pelo chanceler da ilha comunista a um "genocídio". 20/10/2012 REUTERS/Enrique De La Osa