Relatório da AIEA sobre Irã pode não ser tão ruim para Ocidente

quarta-feira, 14 de novembro de 2012 14:44 BRST
 

Por Fredrik Dahl

VIENA, 14 Nov (Reuters) - O Irã supostamente aumentou o número de centrífugas em uma usina nuclear subterrânea em quase um terço em três meses, disseram diplomatas, enfatizando a dura missão à frente das grandes potências que pressionam Teerã a frear sua atividade atômica.

Mas, apesar de uma grande expansão na capacidade de refinar urânio na usina de Fordow, escondida dentro de uma montanha, o Irã não parece ter ligado suas recém-instaladas centrífugas de enriquecimento, embora isso possa acontecer em breve, afirmaram eles.

Um relatório da ONU sobre o programa nuclear do Irã provavelmente também deve mostrar esta semana que o país continua a usar parte de seu material mais sensível para o combustível do reator, pelo menos temporariamente tornando-o disponível para qualquer tentativa rápida de bomba atômica.

Isso pode ajudar a "obter mais tempo para o diálogo", disse um diplomata ocidental, referindo-se aos esforços internacionais para encontrar uma solução diplomática para a disputa de uma década e evitar a ameaça de uma nova guerra no Oriente Médio.

Isso também pode explicar por que Israel, considerado como único país com armas nucleares da região, recentemente sinalizou que um ataque a instalações nucleares da República Islâmica não era iminente, depois de meses de especulação de que poderia ser.

Mas outro enviado ocidental disse que o fato de que o Irã estava convertendo parte de seu gás de urânio de alto grau, um passo técnico curto antes do nível de material para armas, em pó de óxido para combustível não deve desviar a atenção do seu maior desafio nuclear.

"Eles não têm respondido às questões (da agência nuclear da ONU), não suspenderam o seu enriquecimento conforme exigido pelo Conselho de Segurança da ONU, então qualquer outra coisa que eles estão fazendo em torno da margem é irrelevante", afirmou este diplomata.

A conversão do urânio refinado para uma concentração físsil de 20 por cento em combustível também é reversível desde que não tenha sido introduzido num reator em funcionamento, embora ainda fossem necessários alguns meses para devolvê-lo à forma gasosa, explicam especialistas em segurança.   Continuação...