BBC paga 185 mil libras por falsa acusação de abuso sexual

quinta-feira, 15 de novembro de 2012 20:06 BRST
 

A BBC concordou em pagar 185 mil libras (295 mil dólares) na quinta-feira a um ex-tesoureiro do Partido Conservador da Grã-Bretanha que havia sido acusado injustamente de abuso sexual de crianças por causa de uma de suas reportagens.

O acordo veio conforme notícias da mídia informaram que uma das ex-estrelas da BBC havia sido presa como parte de uma investigação policial sobre crimes sexuais centrada na emissora pública.

Sir Alistair McAlpine, um aliado da ex-primeira-ministra Margaret Thatcher, foi amplamente nomeado na internet como sendo o político não identificado acusado em uma reportagem do principal programa da BBC, o Newsnight, de abusar de meninos em um lar de assistência social.

A matéria cheia de falhas provocou uma das piores crises da história da emissora de 90 anos e "pediu a cabeça" do diretor-geral George Entwistle, após a vítima do abuso que era peça central na investigação da BBC afirmar que McAlpine não era um de seus agressores.

"Estou muito contente por ter chegado a um acordo rápido com a BBC," disse McAlpine em um comunicado.

Seu advogado alertou outras pessoas que prejudicaram a reputação de seu cliente para entrar em contato antes que eles também enfrentem processos, uma ameaça que poderia pegar centenas de usuários do Twitter e blogueiros que erroneamente nomearam McAlpine.

"Vamos agora continuar a procurar acordos com outras organizações que publicaram comentários difamatórios e indivíduos que usaram o Twitter para me difamar", disse McAlpine.

A controvérsia convulsionou a emissora nacional assim que tentava lidar com revelações de que um famoso ex-apresentador, Jimmy Savile, que morreu no ano passado aos 84 anos, foi um dos maiores criminosos sexuais da Grã-Bretanha.

A polícia que investiga as acusações contra Savile disse na quinta-feira ter detido um quarto homem, na faixa etária de 60 anos, por suspeita de crimes sexuais e acrescentou o número de vítimas que tinham feito as alegações, que agora subiu para 450.

(Reportagem adicional de Michael Holden e Stephen Addison)