Espanha suspende despejos de famílias em necessidades

quinta-feira, 15 de novembro de 2012 20:41 BRST
 

Por Sonya Dowsett

MADRI, 15 Nov (Reuters) - A Espanha aprovou nesta quinta-feira medidas que ajudam famílias carentes ameaçadas de despejo, um crescente problema social num país à beira da recessão e que ganhou destaque na semana passada por causa do suicídio de uma mulher que iria perder sua casa.

O governo disse que irá suspender os despejos durante dois anos para os mutuários inadimplentes em situação vulnerável, que inclui famílias com filhos pequenos, deficientes e desempregados crônicos.

"Esta é uma resposta emergencial para mitigar os efeitos do pior da crise econômica", disse a vice-primeira-ministra Soraya Saenz de Santamaría numa entrevista coletiva semanal.

A Associação Espanhola de Bancos, que na semana passada já sinalizara seu aval à medida, disse que seus filiados compreendem a necessidade de adotá-la, e observou que os custos recairão apenas sobre os bancos.

Os bancos espanhóis, entre os quais muitos estão prestes a receber a primeira parcela de uma linha de crédito de 100 bilhões de euros (127 bilhões de dólares) de um pacote europeu de resgate, retomaram a posse de 400 mil imóveis desde 2008, embora nem todos sejam residenciais.

A tendência está crescendo, com cerca de 50 mil despejos no primeiro semestre, contra 77 mil em todo o ano de 2011.

Na sexta-feira passada, a morte de Amaia Egaña, de 53 anos, que se atirou do seu apartamento no quarto andar enquanto oficiais de Justiça subiam para despejá-la, no País Basco, ganhou destaque na imprensa e colocou a questão no topo da agenda política.

Foi o segundo suicídio desse tipo em dois meses.   Continuação...