Berlusconi diz que políticas de Monti são "desastrosas" na Itália

sexta-feira, 16 de novembro de 2012 17:17 BRST
 

ROMA, 16 Nov (Reuters) - O ex-premiê italiano Silvio Berlusconi pediu nesta sexta-feira uma mudança na política econômica depois de dizer que a Itália teve um ano "desastroso" por causa das medidas de austeridade adotadas pelo seu sucessor, o tecnocrata Mario Monti.

O bilionário de 76 anos tem feito comentários políticos contraditórios nas últimas semanas, contribuindo com o clima de incerteza num momento em que a Itália se prepara para eleições, provavelmente em abril.

O partido Povo da Liberdade, de centro-direita, deve escolher seu candidato numa eleição primária em 16 de dezembro. Seus integrantes estão profundamente divididos sobre manterem ou não o programa econômico do atual governo. Berlusconi anunciou a intenção de não concorrer novamente ao cargo, mas é comum que ele mude de ideia.

"Os dados após um ano de governo tecnocrata são desastrosos, e acho que é absolutamente necessária uma mudança nesta política econômica imposta a nós pela Europa e acima de tudo pela hegemonia da Alemanha", disse Berlusconi a jornalistas.

Berlusconi deixou o poder, no ano passado, devido à pressão dos credores internacionais, quando as finanças públicas italianas se aproximavam de uma situação insustentável. Desde então, o novo governo adotou várias políticas de austeridade.

Embora muitos líderes empresariais gostariam de ter o ex-comissário europeu liderando um novo governo, 62 por cento dos italianos são contra um segundo mandato de Monti, enquanto que 22 por cento são a favor, de acordo com uma pesquisa da SWG para a TV estatal RAI.

Em um ano, a popularidade de Monti caiu de 71 para 36 por cento, mas ele continua sendo mais bem visto pela população do que os líderes dos principais partidos.

(Reportagem de Giselda Vagnoni e Steve Scherer)

 
Ex-premiê italiano Silvio Berlusconi gesticula durante coletiva de imprensa em outubro em Villa Gernetto, na Itália. Berlusconi pediu nesta sexta-feira uma mudança na política econômica depois de dizer que a Itália teve um ano "desastroso" por causa das medidas de austeridade adotadas pelo seu sucessor, o tecnocrata Mario Monti. 27/10/2012 REUTERS/Alessandro Garofalo