Verdes da Alemanha evitam divisão com reeleição de esquerdista

sábado, 17 de novembro de 2012 18:05 BRST
 

HANOVER, Alemanha, 17 Nov (Reuters) - O partido político Verdes, da Alemanha reelegeu seus dois líderes no sábado, com maioria esmagadora, que calou as especulações sobre uma divisão entre suas alas de centro e esquerda, antes da eleição do ano que vem.

Claudia Roth, uma esquerdista derrotada há uma semana em sua tentativa de se tornar um dos dois principais candidatos de 2013, foi eleita para mais dois anos como co-presidente do partido, com um apoio de 88,5 por cento.

Cem Oezdemir, que representa a ala pragmática ou 'realo' e que levou o partido ambientalista a se abrir para coalizões com os conservadores da chanceler Angela Merkel, também foi reeleito com os votos de 83,3 por cento dos 766 delegados.

Embora ambos não tivessem oponentes, o nível de apoio foi considerado um indicador importante para do apoio ao partido.

Os Verdes foram parceiros juniores de coalizão com o partido dos Social Democratas (SPD), de centro-esquerda, de 1998 a 2005. Eles esperam um retorno ao governo com outra coligação em setembro, de preferência novamente com o SPD.

Mas eles se abriram para uma possível aliança com o conservador CDU --Democratas Cristãos, de Merkel-- uma ideia que já foi um anátema para o que começou como um movimento ecológico pacifista na década de 70.

Roth pensou em abrir mão da liderança, depois que ela ficou em quarto lugar na corrida para ser a representante dos Verdes nas eleições de 2013. Mas sua saída poderia ter agravado as tensões com a ala esquerda do partido, que já mandou no partido, mas que tem sido marginalizada nos últimos anos, em um momento no qual os Verdes tentam conquistar os eleitores de centro.

"Não vou mudar meu jeito de ser. E não vou parar de aborrecer todo mundo," disse Roth antes da votação.

A especulação sobre os Verdes se voltarem para os conservadores foi forte na semana passada, depois que membros do partido inesperadamente escolheram Katrin Goering-Eckardt, uma líder da Igreja Luterana, como sua principal candidata.   Continuação...