Nova York lentamente restaura suas luzes após tempestade Sandy

domingo, 18 de novembro de 2012 14:37 BRST
 

NOVA YORK, 18 Nov (Reuters) - Poucos pensaram que iria demorar tanto tempo para restaurar completamente as diminuídas luzes do famoso horizonte no distrito financeiro de Nova York.

Finalmente, no entanto, as empresas desalojadas pelas inundações e quedas de energia provocadas pela Supertempestade Sandy parecem estar prontas para retornar ao centro da cidade, ainda que um pouco cautelosas com os rios e o mar que as rodeia.

Water Street era mais água do que rua quando atingida pelo Sandy. Quase três semanas depois, muitos dos inundados edifícios comerciais localizados na rua, uma vez que contornam o rio East em direção ao porto de ponta sul de Manhattan, permanecem fechados.

Fitas de isolamento ainda barram as portas de lobbies enlameados e escurecidos. As habituais multidões de engravatados trabalhadores de escritório desapareceram das calçadas, substituídos por um punhado de trabalhadores de limpeza e agentes de segurança.

"É definitivamente um contratempo em nossa receita e uma interrupção de nossas operações dos negócios em andamento", disse Lou Colasuonno, diretor sênior de gerenciamento da FTI Strategic Communications, uma empresa de relações públicas especializada em gestão de crise.

Ele e cerca de outros 90 funcionários que normalmente trabalham em um edifício próximo a Water Street tiveram que se alojar em outro escritório de propriedade da empresa em Midtown Manhattan. Muitas empresas improvisaram de forma semelhante, dispersando os funcionários para outras instalações, alugando espaços temporários para escritório e incentivando os funcionários a trabalharem remotamente com seus laptops e celulares.

Uma série de instituições de Wall Street, incluindo a Bolsa de Nova York e algumas importantes empresas bancárias foram capazes de retomar suas atividades assim que a energia foi restaurada após a tempestade de 29 de outubro .

Mas muitos edifícios em áreas de baixa altitude sofreram danos mais duradouros à infraestrutura elétrica e aquecimento. Um relatório imobiliário divulgado no início desta semana pela empresa de imóveis comerciais, Jones Lang LaSalle, mostrou que cerca de 30 por cento do espaço comercial locável da área permanecia fechado por causa da tempestade.

(Reportagem de Jonathan Allen e Clare Baldwin)