Investidores globais pedem ação contra riscos climáticos

terça-feira, 20 de novembro de 2012 18:31 BRST
 

Por David Fogarty

CINGAPURA, 20 Nov (Reuters) - Uma coalizão formada pelos maiores investidores mundiais propôs na terça-feira que os governos intensifiquem sua ação contra a mudança climática e reforcem seus investimentos em energias limpas, sob risco de perder trilhões de dólares em investimentos e em prejuízos às suas economias.

Em uma carta aberta, a aliança de investidores institucionais, responsáveis por gerirem 22,5 trilhões de dólares em ativos, disse que o rápido aumento nas expansões de gases do efeito estufa e os fenômenos climáticos mais extremos estão elevando os riscos para os investimentos em nível global.

O grupo defendeu um diálogo entre investidores e governos para reformular as políticas climáticas e energéticas.

O apelo ocorre menos de uma semana antes do início da importante reunião climática da ONU em Doha, no Catar. Quase 200 nações vão se reunir lá entre os dias 26 de novembro e 7 de dezembro para tentar prorrogar o Protocolo de Kyoto, o atual plano, em vigor até o final do ano, destinado a restringir as emissões de gases do efeito estufa nas nações desenvolvidas.

No domingo, o Banco Mundial disse que as atuais políticas climáticas implicam que o mundo está se encaminhando para um aquecimento de até 4ºC até 2100. Isso desencadearia letais ondas de calor e secas, reduziria a oferta de alimentos e elevaria o nível dos mares.

"As atuais políticas são insuficientes para evitar impactos sérios e perigosos em decorrência da mudança climática", disse o grupo de investidores dos EUA, Europa, Ásia e Austrália.

Os investimentos e fundos de pensão de milhões de pessoas correm riscos por causa da demora dos governos em exigirem maiores reduções das emissões e em oferecerem um apoio mais generoso a energias mais limpas.

O grupo disse que as políticas corretas levariam os investidores institucionais a aumentarem significativamente seus investimentos em energias limpas e na eficiência energética, citando políticas em vigor que liberaram bilhões de dólares em investimentos em energias renováveis na China, nos EUA e na Europa.   Continuação...

 
A carcaça de um automóvel danificado por um incêndio e pelos efeitos do furacão Sandy repousa no bairro de Queens em Nova York, nos EUA. Uma coalizão formada pelos maiores investidores mundiais propôs que os governos intensifiquem sua ação contra a mudança climática e reforcem seus investimentos em energias limpas, sob risco de perder trilhões de dólares em investimentos e em prejuízos às suas economias. 14/11/2012 REUTERS/Shannon Stapleton