November 24, 2012 / 7:43 PM / 5 years ago

Disputa de adoção na Grã-Bretanha põe em evidência partido anti-UE

3 Min, DE LEITURA

LONDRES (Reuters) - Políticos britânicos repreenderam um conselho local na Inglaterra neste sábado, depois que ele retirou crianças dos cuidados de uma família adotiva porque ela apoiava um partido político que defende a saída da Grã-Bretanha da União Europeia e regras imigratórias mais duras.

A contenda colocou em evidência o Partido da Independência do Reino Unido (UKIP), que viu sua popularidade aumentar nos últimos meses com o crescente desencantamento provocado pela associação da Grã-Bretanha com a UE, e tem gerado polêmica entre políticos conservadores que acusam a esquerda de correção política excessiva.

A decisão de tirar as crianças dos cuidados do casal por causa do apoio deles à UKIP foi tomada pelo Conselho Rotherham, no norte da Inglaterra, que é controlado pelo partido Trabalhista, da oposição.

Falando à BBC, Joyce Thacker, diretora-estratégica dos serviços de crianças e jovens no conselho, disse que ainda teria que decidir se colocações adotivas seriam apropriadas para crianças especiais.

"Essas crianças (especiais) vêm de famílias migrantes da UE, e o UKIP fez declarações muito claras sobre o fim do multiculturalismo, sobre não levar isso adiante, e preciso pensar sobre quão sensível estou sendo com essas crianças", disse ela.

Relatos da mídia disseram que o conselho havia lançado uma investigação sobre o assunto. O conselho não pôde ser encontrado para dar declarações.

O líder do UKIP, Nigel Farage, condenou a medida do conselho.

"Somos um partido político não racista e não sectário... eles (o casal) estavam dando a essas crianças amor e estabilidade e todas as coisas das quais precisavam", disse ele.

"Eles foram discriminados... porque apoiam um partido que diz que não deveríamos fazer parte da União Europeia e que deveríamos controlar nossas fronteiras e isso é preconceito em sua forma mais terrível".

O UKIP pede em seu site o fim da "imigração em massa descontrolada" e diz que não mais do que 50.000 imigrantes deveriam ter permissão de entrar na Grã-Bretanha por ano. O partido de Farage não tem uma cadeira no Parlamento, mas está vendo sua popularidade aumentar.

"Essa decisão é arbitrária, ideológica, indefensável", disse o ministro da Educação, Michael Gove, pedindo uma investigação da questão.

Ed Miliband, o líder do partido Trabalhista, disse que a afiliação política não deveria afetar as chances para adoção.

"O que importa é o futuro das crianças em Rotherham e em outros lugares e ser membro de um partido político como o UKIP não deveria ser um obstáculo para adotar crianças".

Reporting by Mohammed Abbas

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below