Explosões de carros-bomba matam 34 em bairro pró-Assad de Damasco

quarta-feira, 28 de novembro de 2012 13:09 BRST
 

Por Dominic Evans BEIRUTE, 28 Nov (Reuters) - Dois carros-bomba explodiram em um ataque que matou pelo menos 34 pessoas nesta quarta-feira em um bairro da capital síria leal ao presidente Bashar al-Assad.

As explosões atingiram o bairro oriental de Jaramana, lar de muitos da minoria síria Drusa, assim como de cristãos que fugiram da violência em outros lugares, destruindo lojas próximas e jogando destroços sobre carros.

Carros-bomba vêm abalando Damasco, no passado um bastião de segurança na campanha de 20 meses de Assad para esmagar uma revolta contra seu governo, com regularidade crescente, mas os ataques desta quarta-feira foram os mais mortais na capital em vários meses.

As autoridades limitam severamente a mídia independente na Síria e não foi imediatamente possível verificar os relatos. O governo disse que 34 pessoas foram mortas.

As bombas seguiram duas semanas de conquistas militares por rebeldes que invadiram e tomaram bases militares em toda a Síria, expondo a perda de controle de Assad em regiões do norte e do leste, apesar do poder aéreo devastador que ele tem usado para bombardear redutos da oposição.

Enfatizando a força militar crescente dos rebeldes, ajudados por armas capturadas durante os ataques em instalações do Exército, bem como suprimentos vindos do exterior, os combatentes derrubaram um avião de guerra no norte da província de Aleppo nesta quarta-feira usando um míssil antiaéreo, informou o Observatório Sírio para Direitos Humanos.

Grupos de oposição publicaram um vídeo na internet que mostrava um homem com um macacão verde sendo carregado. Ele estava sangrando muito na cabeça e parecia inconsciente.

"Este é o piloto que atacou as casas de civis", disse uma voz de fundo. O derramamento de sangue aconteceu no momento em que a nova coalizão de oposição da Síria realizou sua primeira reunião nesta quarta-feira no Cairo para discutir a formação de um governo de transição, crucial para ganhar um apoio árabe e ocidental efetivo para a revolta contra Assad.

"O objetivo é nomear o primeiro-ministro de um governo de transição, ou pelo menos ter uma lista de candidatos", disse Suhair al-Atassi, um dos dois vice-presidentes da coalizão.   Continuação...