Descoberto o dinossauro mais antigo, com 245 milhões de anos

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012 09:16 BRST
 

Por Chris Wickham

LONDRES, 5 Dez (Reuters) - Pesquisadores descobriram, nos corredores do Museu de História Natural de Londres, aquele que pode ser o mais antigo dinossauro conhecido.

O misterioso fóssil está há décadas no acervo do museu, e agora identificou-se que ele provavelmente era um dinossauro que viveu há cerca de 245 milhões de anos - 10 a 15 milhões a mais do que qualquer amostra anteriormente descoberta.

A criatura, chamada "Nyasasaurus parringtoni", tinha mais ou menos o tamanho de um cão labrador. Ele deve seu nome ao lago Niassa, na África Oriental, e ao cientista Rex Parrington, da Universidade de Cambridge, que recolheu o fóssil próximo ao lago, na década de 1930.

"Foi o caso de olhar para o material com um par de olhos frescos", disse à Reuters Paul Barrett, do Museu de História Natural, que participou do estudo. "Isso fecha uma lacuna nos registros fósseis e faz recuar a existência dos dinossauros."

Um estudo anterior desse fóssil, na década de 1950, havia sido inconclusivo, segundo Barrett. "Era um mistério sobre o que era... Virou esse animal mítico."

Duas características no fóssil de Londres, junto com uma amostra semelhante localizada posteriormente no Museu Sul-Africano Iziko, na Cidade do Cabo, trazem fortes indícios de que o animal era um dinossauro.

Os tecidos ósseos do antebraço mostram marcas de crescimento rápido, comum em dinossauros, e também apresentam a chamada crista deltopeitoral alongada, que ancorava os músculos do antebraço, algo exclusivo dos dinossauros.

"Embora só conheçamos o 'Nyasasaurus' de fragmentos fósseis, a anatomia do osso do antebraço e dos quadris tem características que são únicas para os dinossauros, o que nos deixa confiantes de que estamos lidando com um animal muito próximo da origem dos dinossauros", disse Barrett.

Os pesquisadores acreditam que o Nyasasaurus provavelmente andava ereto, com 1 metro de altura até o quadril, 2 a 3 metros da cabeça à cauda, e 20 a 60 quilos de peso.

Ele viveu numa época em que os continentes estavam unidos em uma vasta massa de terra chamada Pangea. A área da Tanzânia onde os fósseis foram achados ficava no sul da Pangea, o que incluía as futuras África, América do Sul, Antártida e Austrália.