Cúpula do Mercosul é novo teste para saúde de Chávez

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012 18:01 BRST
 

SÃO PAULO, 5 Dez (Reuters) - Ele vem ou não vem? A cúpula do Mercosul em Brasília, na sexta-feira, será um novo teste para a saúde do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, que há semanas não aparece em público depois de um tratamento contra o câncer.

Chávez tem hotel reservado e lugar com seu nome na mesa de negociações do Itamaraty. Mas sua ida a Brasília será decidida na última hora em Cuba, onde Chávez continua sendo atendido desde a semana passada devido a sequelas da radioterapia, em meio a uma nuvem de mistério que reavivou as preocupações com sua saúde.

"Estamos aguardando as indicações, mas normalmente as confirmações sobre a presença do presidente Chávez são no último momento", disse a jornalistas em Brasília o subsecretário do Itamaraty para a América do Sul, Antonio Simões.

O presidente, de 58 anos, foi diagnosticado em meados de 2011 com um tumor na região pélvica e submetido desde então a três operações em Cuba. Em julho, ele se declarou curado, e em outubro foi reeleito para mais seis anos, o que lhe permitiria completar duas décadas à frente do país petroleiro.

Mas Chávez não aparece em público desde 15 de novembro e até deixou de se comunicar pelo Twitter, motivando rumores.

A cúpula da sexta-feira marca a estreia da Venezuela na união aduaneira sul-americana. "Se Chávez não aparecer na sua primeira reunião como integrante pleno do Mercosul, irá gerar muita desconfiança sobre a sua saúde", disse o professor de Relações Internacionais da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Marcelo Coutinho.

A pauta do encontro inclui pela primeira vez um fórum de empresários, num aceno ao setor privado, duramente golpeado pela crise global e por uma reincidência do protecionismo na região.

As expectativas, no entanto, são baixíssimas.

"Nós nos acostumamos a não esperar demais dessas cúpulas", disse o ex-secretário de Comércio Exterior do Brasil e atual diretor de negociações internacionais da Fiesp, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Marco Marconini.   Continuação...