Partido de Berlusconi eleva a tensão com o governo italiano

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012 14:23 BRST
 

Por Giuseppe Fonte

ROMA, 6 Dez (Reuters) - O primeiro-ministro italiano, Mario Monti, enfrenta nesta quinta-feira uma revolta da bancada do Partido da Liberdade (PDL), de seu antecessor no cargo, Silvio Berlusconi, o que elevou a tensão antes das eleições parlamentares antecipadas marcadas para o ano que vem. Os membros do partido de Berlusconi abandonaram o Senado durante a votação de uma moção de confiança em Monti.

A retirada do PDL, partido de centro-direita, foi um gesto simbólico que não ameaçou diretamente a sobrevivência do governo tecnocrata de Monti, mas demonstrou a profunda incerteza na política italiana antes da eleição prevista para março do ano que vem.

O Partido Democrático (PD), de centro-esquerda, afirmou que a repetição da saída do principal partido de centro-direita na votação da outra moção de confiança, na Câmara Baixa do Parlamento, ainda nesta quinta-feira, iria indicar que Monti não possui o apoio da maioria no Parlamento.

Nesse caso, assinalou o PD, o presidente Giorgio Napolitano deveria marcar as eleições para antes da data prevista (março).

"Temos de ver se foi uma abstenção em apenas uma votação ou uma abstenção política mais ampla", disse a repórteres o líder do PD, Pier Luigi Bersani , antes de uma reunião com os líderes de todos os partidos representados no Parlamento, depois que o PDL abandonou a votação no Senado.

Em uma atmosfera política cada vez mais efervescente, Berlusconi deu uma forte indicação na noite de quarta-feira de que voltará atrás do que disse anteriormente e buscará na eleição um quinto mandato como primeiro-ministro.

Em uma entrevista na TV na quinta-feira, o ministro da Indústria, Corrado Passera, expressou forte objeção quanto ao retorno do bilionário de 76 anos que deixou o poder em meio a escândalos políticos e pessoais no auge da crise financeira da zona do erro, no ano passado.

"Tudo o que possa levar nossos parceiros ou o restante do mundo a imaginar que estamos voltando para trás não é algo bom para a Itália", declarou o ministro à TV estatal RAI.   Continuação...

 
O primeiro-ministro italiano Mario Monti, antes de reunião com o primeiro-ministro libanês, Najib Mikati, no Palácio Chigi, em Roma. Monti enfrenta nesta quinta-feira uma revolta da bancada do Partido da Liberdade (PDL), de seu antecessor no cargo, Silvio Berlusconi, o que elevou a tensão antes das eleições parlamentares antecipadas marcadas para o ano que vem. Os membros do partido de Berlusconi abandonaram o Senado durante a votação de uma moção de confiança em Monti. 05/12/2012 REUTERS/Tony Gentile