Ataque a aldeia alauíta deixa até 200 vítimas na Síria

terça-feira, 11 de dezembro de 2012 19:57 BRST
 

BEIRUTE, 11 Dez (Reuters) - Um ataque contra um vilarejo sírio nesta terça-feira matou ou feriu cerca de 200 pessoas pertencentes à minoria alauíta, do presidente sírio Bashar al-Assad, disseram ativistas, mas ainda não estava claro quem estava por trás do atentado.

O número de vítimas varia, mas vários ativistas disseram ter confirmado 10 mortos. O Observatório Sírio de Direitos Humanos, ligado à oposição, disse que 125 pessoas foram mortas ou feridas em uma série de explosões que destruiu diversas casas na localidade de Aqrab. A imprensa estatal síria não mencionou o assunto.

Outros ativistas atribuíram o ataque às forças de Assad, que estariam envolvidas no bombardeio a uma casa onde pelo menos 200 alauítas estariam escondidos.

As circunstâncias do ataque seguem obscuras e é impossível verificar os relatos de forma independente por causa das restrições do governo sírio à atividade dos jornalistas. Esse foi o primeiro relato conhecido de um grande ataque aos alauítas em 20 meses de conflito na Síria.

Um rebelde que falou à Reuters por telefone disse que combatentes entraram em confronto com o Exército em Aqrab durante quatro dias. Os rebeldes haviam cercado um edifício e acusaram milícias pró-Assad, conhecidas como shabbiha, de usar moradores escondidos ali como escudos humanos.

"Havia 200 pessoas dentro e pedimos aos moradores para que saíssem, mas os shabbiha mantiveram algumas mulheres e crianças sob a mira de armas. Afinal, as negociações foram interrompidas, e o governo bombardeou o prédio", disse o rebelde, que se identificou como Maysar.

A rebelião contra Assad é promovida principalmente por membros da maioria sunita, enquanto os alauítas se mantêm em geral leais ao governo.

O incidente ameaça desencadear uma nova onda de violência sectária numa região da Síria onde três massacres de sunitas foram registrados no último ano. Há muitos relatos de sequestros e assassinatos por vingança envolvendo sunitas e alauítas na região.

Crianças feridas, aparentemente alauítas de Aqrab, apareceram em um hospital de campanha da oposição na localidade de Al Houla, a poucos quilômetros dali. As crianças foram entrevistadas por rebeldes, que colocaram vídeos no YouTube.   Continuação...