Passada reeleição, apoiadores de Obama se voltam para "abismo fiscal"

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012 09:57 BRST
 

WASHINGTON, 13 Dez (Reuters) - Após um ano batendo portas e fazendo telefonemas para garantir a reeleição do presidente Barack Obama, Meechie Biggers já superou seu medo de falar de política com estranhos.

Então, ao chegar na semana passada a Washington, essa corretora imobiliária de uma pequena cidade do Tennessee foi com alguns conterrâneos visitar um dos seus senadores, o republicano Bob Corker, para tentar convencê-lo a apoiar a proposta de Obama para elevar impostos para os mais ricos.

Biggers não achava que fosse persuadir o senador, e talvez não tenha mesmo conseguido. Mas, quatro dias depois, Corker se tornou mais um republicano a declarar que seu partido deveria considerar a proposta de Obama como parte de um acordo orçamentário neste fim de ano.

"Isso é um testemunho sobre (a eficiência de) bater nas portas e dar seus palpites às pessoas", disse Biggers.

A eleição acabou há mais de um mês, mas, para uma infantaria de mais de 2 milhões de apoiadores do presidente democrata, ela continua a todo vapor. Entusiasmados com a vitória, muitos voluntários e funcionários pagos promovem agora uma mobilização para assegurar um acordo político e evitar o "abismo fiscal" -- conjunção de aumentos tributários e cortes de gastos públicos previstos para entrar em vigor no início de 2013.

Não se sabe quantos manterão seu apoio a Obama se ele for obrigado a cortar programas populares, como o Medicare, que têm amplo apoio junto à esquerda.

Mas, por enquanto, essa é uma chance para que Obama aproveite o impulso da reeleição e cumpra uma das suas promessas centrais da campanha - justiça econômica.

"Você pode ir a um certo número de celebrações, festas e almoços. E aí você está pronto para ajudar o presidente a fazer o que precisa ser feito", disse a contabilista aposentada Lenda Sherrell, de Monteagle, Tennessee, que acompanhou Biggers na visita a Corker.

A iniciativa dá mais força a Obama em Washington, num momento em que muitos republicanos fazem uma dolorosa avaliação dos resultados eleitorais. Grupos alinhados com o movimento conservador Tea Party, que havia conseguido impor profundos cortes de gastos em disputas orçamentárias anteriores, desta vez estão menos visíveis, e grupos empresariais pressionam os parlamentares republicanos a abandonarem sua oposição a toda e qualquer elevação tributária.   Continuação...

 
Eleitores do presidente dos Estados Unidos Barack Obama passam a se concentrar na discussão sobre a ameaça de um "abismo fiscal" no país. 10/12/2012. REUTERS/Jason Reed