Monti é pressionado a disputar eleição na Itália

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012 20:49 BRST
 

Por Steve Scherer e Giselda Vagnoni

ROMA, 13 Dez (Reuters) - O primeiro-ministro italiano, Mario Monti, enfrentou nesta quinta-feira uma crescente pressão para ser candidato a um novo mandato no ano que vem, depois da surpreendente oferta de Silvio Berlusconi para retirar sua postulação.

Em Bruxelas, numa reunião do Partido Popular Europeu, que reúne várias legendas de centro-direita, Berlusconi repetiu a oferta de não disputar a eleição, caso Monti aceite concorrer contra os favoritos partidos de centro-esquerda.

A participação de Monti na reunião, junto com Berlusconi e com a chanceler alemã, Angela Merkel, foi uma surpresa para muitos, já que ele não aparecia na lista de convidados.

Monti assumiu o cargo há um ano, no lugar de Berlusconi, para comandar um governo tecnocrata que resgatasse o país de uma crise financeira. As pesquisas indicam que ele teria pouca chance de conseguir um novo mandato, dessa vez nas urnas.

Mesmo que isso ocorresse, ele também enfrentaria muitos atritos com a centro-direita, que está altamente fragmentada e inclui a relutante Liga Norte.

"Houve muitas expressões de apoio à candidatura de Monti", disse um membro do Parlamento Europeu à Reuters. "Mas Monti não resolveu o dilema."

O partido centro-direitista Povo da Liberdade (PDL), de Berlusconi, retirou na semana passada o apoio a Monti no Parlamento, obrigando-o a renunciar. Novas eleições são esperadas para fevereiro.

No sábado, Berlusconi, que já foi premiê em quatro ocasiões, declarou que encabeçaria a lista de candidatos do PDL e fez duras críticas à política econômica de Monti, acusando-o de submissão aos interesses da Alemanha. Dois dias depois, no entanto, ele anunciou que apoiaria sua eventual candidatura.   Continuação...

 
Primeiro ministro italiano Mario Monti fala durante coletiva de imprensa em Bruxelas. Monti enfrentou nesta quinta-feira uma crescente pressão para ser candidato a um novo mandato no ano que vem, depois da surpreendente oferta de Silvio Berlusconi para retirar sua postulação. 13/12/2012 REUTERS/Francois Lenoir