Centro-esquerda diz que candidatura de Monti é "moralmente questionável"

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012 14:52 BRST
 

Por James Mackenzie

ROMA, 14 Dez (Reuters) - O principal partido de centro-esquerda da Itália, à frente nas pesquisas de opinião para a eleição do ano que vem, rejeitou os pedidos para que o primeiro-ministro Mario Monti concorra a um segundo mandato. Isso, segundo um dos principais integrantes do partido, seria "moralmente questionável".

O Partido Democrático (PD) apoiou o governo tecnocrata de Monti no Parlamento. No entanto, embora tenha prometido continuar com sua disciplina fiscal e queira que ele permaneça em algum cargo após a eleição, defende que ele fique fora da campanha. As pesquisas de opinião sugerem que ele perderia a eleição.

"Seria ilógico e, de certa forma, moralmente questionável se o professor entrasse na disputa contra a principal força política que o apoiou nos seus esforços de reforma", afirmou o ex-premiê Massimo D'Alema, influente estadista de centro-esquerda, ao jornal Corriere della Sera de sexta-feira. "Tenho grande estima por ele e espero que ele não concorra."

O candidato de centro-direita Silvio Berlusconi propôs ficar de fora da disputa para permitir a candidatura de Monti. Políticos europeus, indo da chanceler alemã, Angela Merkel, ao presidente francês, François Hollande, elogiaram Monti e, em um encontro de partidos europeus de centro-direita na quinta-feira, ele ouviu de vários políticos o pedido para concorrer na eleição.

O próprio Monti evitou fazer comentários sobre seu futuro político na sexta-feira, dizendo em uma entrevista coletiva em Bruxelas que não seria "nem possível nem apropriado" para ele falar sobre o assunto.

As medidas de austeridade de Monti ajudaram a reduzir os custos dos empréstimos feitos durante a crise financeira do último ano. Apesar disso, a dívida pública da Itália subiu para acima de 2 trilhões de euros pela primeira vez em outubro, de acordo com o Banco da Itália na sexta-feira.

O líder do partido PD, Pier Luigi Bersani, afirmou na quinta-feira que pediria que Monti tivesse algum tipo de papel imediatamente após a eleição. Mas ele afirmou que seria melhor se o respeitado ex-professor de Economia ficasse de fora da campanha.