Hamas promove manifestações na Cisjordânia

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012 15:56 BRST
 

Por Noah Browning

HEBRON, Cisjordânia, 14 Dez (Reuters) - Simpatizantes do grupo islâmico palestino Hamas saíram às ruas de Hebron na sexta-feira pela primeira vez em cinco anos, em um sinal de melhora de relações com seus rivais seculares do Fatah.

Fatah e Hamas estão em desacordo desde que este último obteve uma vitória inesperada nas eleições parlamentares de 2006. Uma breve guerra civil um ano mais tarde terminou com o Hamas tomando o controle da Faixa de Gaza, deixando o presidente palestino, Mahmoud Abbas, líder do Fatah, consolidando sua base de poder na Cisjordânia.

Os dois lados, porém, pediram por união após um conflito de oito dias no mês passado entre o Hamas e Israel em Gaza. As manifestações na Cisjordânia ocupada pelos israelenses, incluindo em Hebron, é a evidência mais tangível até agora de uma melhora nas relações.

Meninos mascarados, segurando fuzis M-16 de plástico e modelos de foguetes de longo alcance do Hamas, seguiam nos ombros de seus pais enquanto a multidão de diversos milhares de pessoas comemoravam o aniversário de 25 anos de fundação do Hamas.

Os participantes acenavam com bandeiras verdes do Hamas e cantavam acompanhando um alto-falante que dizia "Ataque Israel como um terremoto, lance vulcões contra ele!"

"Esse movimento é nosso futuro. Lutaremos por cada centímetro de nossa terra, ela é nossa", afirmou Abu Malek, de 60 anos, sem usar seu sobrenome por temer ser preso por suas opiniões.

Mais tarde, as forças palestinas detiveram um pequeno grupo de manifestantes que queria atacar um posto de fiscalização militar israelense nas proximidades. Os jovens responderam jogando pedras contra a própria polícia palestina.

A confiança no Fatah, que tem o apoio do Ocidente, também está em alta depois de sua iniciativa na Organização das Nações Unidas (ONU) no mês passado de ver os territórios palestinos reconhecidos como um Estado de-facto.

As duas facções afirmam esperar transformar suas conquistas em um acordo de união prometido há muito tempo. O Hamas permitiu que os manifestantes do Fatah comemorassem em Gaza a ação na ONU, em outro sinal sem precedentes desde o divórcio de 2007.