China não tem pressão para afrouxar política monetária agressivamente--BC

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012 07:51 BRST
 

SANYA, China, 17 Dez (Reuters) - A China não enfrenta um grande risco de uma retomada da inflação em 2013, nem nenhuma grande pressão para afrouxar a política monetária de forma agressiva no próximo ano, afirmou nesta segunda-feira o diretor de pesquisa do Banco Central, Jin Zhongxia.

Por sua vez, o presidente do banco central, Zhou Xiaochuan, mostrou-se cauteloso sobre a liberalização de longo prazo de sua moeda e taxa de juros.

"Eu sinto que não há pressão evidente para o Banco Central adotar uma política de afrouxamento agressiva", disse à Reuters Zhongxia, diretor do instituto de pesquisa financeira do Banco do Povo da China, durante o intervalo de um fórum em Sanya. "Acho que não veremos uma grande retomada da inflação em 2013".

No domingo, líderes chineses prometeram manter uma política monetária "prudente" e uma política fiscal pró-ativa em 2013, deixando espaço para manobra frente aos riscos econômicos globais enquanto aprofundam reformas para dar suporte ao crescimento no longo prazo.

O BC cortou as taxas de juros em junho e julho e baixou a taxa de compulsório três vezes desde o final de 2011 para liberar estimados 1,2 trilhão de ienes (190 bilhões de dólares) para empréstimo como parte de um programa de ajuste de política.

O presidente do BC, Zhou Xiaochuan, afirmou ao fórum em Sanya nesta segunda-feira que a China está no caminho para tornar gradualmente o iuan totalmente conversível ao longo do tempo, mas alertou que as autoridades podem ter que retomar o controle de capital se surgir uma crise financeira.

"Não estamos dizendo que teremos 100 por cento de convertibilidade ou nenhuma supervisão regular, mas que vamos reservar o direito de monitorar e restringir o fluxo de capital em algumas áreas sensíveis", disse Zhou.

(Reportagem de Aileen Wang e Kevin Yao)