Candidata sul-coreana retoma lema do pai ditador a um dia de eleição

terça-feira, 18 de dezembro de 2012 11:17 BRST
 

Por Somang Yang

SEUL, 18 Dez (Reuters) - Na véspera de uma acirrada eleição presidencial na Coreia do Sul, a candidata favorita, Park Geun-hye, evocou o lema econômico do seu pai, que foi ditador do país numa fase de grande crescimento.

A candidata conservadora prometeu, em entrevista coletiva, recriar o conceito de "Vamos viver bem", revertendo a situação de um país que, segundo ela, sofre com o grande endividamento dos cidadãos, o custo elevado de criar os filhos e a pobreza entre os idosos.

Estatísticas mostram que as família sul-coreanas estão mais endividadas que as norte-americanas estavam no período que antecedeu à crise creditícia de 2008.

O governo de Park Chung-hee, pai da candidata, entre 1961 e 79, ajudou a transformar a atrasada Coreia do Sul, então devastada por uma guerra, em uma potência exportadora. Naquela época, uma canção baseada no lema "vamos viver bem" ecoava pelos alto-falantes no país todo, estimulando as pessoas a trabalharem por esse objetivo.

Anteriormente, a filha de Park buscava se distanciar do polêmico legado do ditador, que exerceu também uma forte repressão política em nome da segurança nacional, até ser assassinado em 1979.

A diferença entre a conservadora Park e seu desafiante de esquerda, Moon Jae-in, pode ser de apenas 0,5 ponto percentual, segundo algumas pesquisas.

"Vai depender da demografia do comparecimento eleitoral", disse Hong Hyung-sik, do instituto de pesquisas Hangil Research.

As pesquisas indicam que os eleitores mais velhos estão mais inclinados a irem votar e a escolherem Park. Moon depende do eleitorado mais jovem, menos confiável.   Continuação...