December 18, 2012 / 9:03 PM / 5 years ago

Colômbia e Farc retomam processo de paz e abordam tema agrário

3 Min, DE LEITURA

Negociador-chefe das Farc, Iván Márquez, fala durante coletiva de imprensa em Havana, Cuba. O governo colombiano e a guerrilha esquerdista Farc retomaram nesta terça-feira seu processo de paz em Havana, com os olhos voltados para a necessidade de um acordo a respeito do espinhoso tema agrário, crucial para o fim de cinco décadas de guerra civil. 18/12/2012Enrique De La Osa

HAVANA, 18 Dez (Reuters) - O governo colombiano e a guerrilha esquerdista Farc retomaram nesta terça-feira seu processo de paz em Havana, com os olhos voltados para a necessidade de um acordo a respeito do espinhoso tema agrário, crucial para o fim de cinco décadas de guerra civil.

Antes de voltar à mesa de negociações, após um recesso de quatro dias, o negociador-chefe das Farc, Iván Márquez, insistiu que o destino do seu país depende de uma solução para a distribuição e uso da terra, o primeiro de cinco temas em discussão.

O governo do presidente colombiano, Juan Manuel Santos, e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) iniciaram há um mês a primeira negociação de paz em uma década.

"Nada mais transcendental para nós do que a opinião do povo, das suas organizações sociais, em torno do problema nodal do conflito, o da terra e do território, porque da sua solução depende o destino da Colômbia", disse Márquez.

"Que os produtos da terra sejam para mitigar a fome e que nos deem soberania alimentar", acrescentou ele, lendo nota antes do início da última rodada de diálogo em 2012.

Segundo uma fonte colombiana, as duas delegações discutirão até sexta-feira, quando voltam a entrar em recesso para o Natal e Ano Novo.

A delegação do governo colombiano, encabeçada pelo ex-vice-presidente Humberto de la Calle, somente se mostrou à imprensa na chegada à sede das negociações, no Palácio de Convenções de Havana, mas não fez declarações.

A atual negociação é a quarta tentativa oficial de acabar com uma guerra civil que já deixou centenas de milhares de mortos, milhões de refugiados internos e incalculáveis prejuízos econômicos para o país.

Além do tema agrário, o diálogo, sob o princípio de que "nada está definido até que tudo esteja definido", inclui garantias para o exercício da oposição política, o fim do conflito, a solução do narcotráfico e a indenização para as vítimas do conflito.

"Saibam que estamos a favor da defesa das Unidades Agrícolas Familiares, e para que a pequena e média propriedade rural se fortaleça em benefício da economia soberana", disse Márquez ao saudar a realização em Bogotá de um fórum para discutir abertamente uma política integral de desenvolvimento agrário.

A última negociação de paz das Farc, que tem hoje cerca de 8.000 combatentes, ocorreu entre 1999 e 2002 durante o governo do presidente conservador Andrés Pastrana. O processo fracassou porque a guerrilha intensificou seus ataques e sequestros, aproveitando o cessar-fogo em vigor.

Desta vez, o governo de Santos rejeitou a adoção de uma trégua durante as negociações.

Reportagem de Nelson Acosta

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below