Corte rejeita pedido de Strauss-Kahn para abandonar inquérito de crimes sexuais

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012 09:58 BRST
 

DOUAI, França, 19 Dez (Reuters) - Uma corte francesa rejeitou nesta quarta-feira um pedido do ex-chefe do FMI Dominique Strauss-Kahn para abandonar o inquérito sobre crime sexual pelo qual ele corre risco de ser julgado por acusações de negociar prostituas, afirmaram seus advogados.

O veredicto veio apenas alguns dias depois de Strauss-Kahn ter resolvido um caso civil em separado com uma camareira de um hotel de Nova York, que o acusou de tentar estuprá-la em maio de 2011. Esse incidente encerrou as ambições de Strauss-Kahn de candidatura à Presidência da França, assim como sua carreira no Fundo Monetário Internacional.

A decisão tomada nesta quarta-feira pela corte em Douai, no norte da França, acaba com qualquer perspectiva de uma rápida conclusão para a mais recente investigação sobre acusações sexuais da qual Strauss-Kahn é alvo.

"A equipe de defesa de Dominique Stauss-Kahn está certa de que no fim ele será inocentado destas acusações absurdas", afirmou o advogado Henri Leclerc em um comunicado, acrescentando que havia planejado levar a questão ao Supremo Tribunal da França.

Strauss-Kahn, que já foi um dos favoritos para a corrida presidencial na França, está no centro de investigações sobre orgias com prostitutas no chamado Caso Carlton, que recebeu esse nome devido ao hotel no norte do país onde aconteciam os encontros.

Os advogados dele argumentam que se relacionar com prostitutas não é ilegal e que investigadores não tinham base para persegui-lo.

(Reportagem de Pierre Savary e Brian Love)

 
Ex-chefe do FMI Dominique Strauss-Kahn deixa seu apartamento, em Paris. Uma corte francesa rejeitou um pedido de Strauss-Kahn para abandonar o inquérito sobre crime sexual pelo qual ele corre risco de ser julgado por acusações de negociar prostituas. 10/12/2012 REUTERS/Gonzalo Fuentes