Ano de 2012 bate recorde em assassinatos de jornalistas

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012 15:12 BRST
 

PARIS, 19 Dez (Reuters) - Mais jornalistas foram assassinados no trabalho em 2012 do que em qualquer ano desde que começou um monitoramento iniciado há 17 anos. A Síria e a Somália registraram um número especialmente alto, informou a organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF) na quarta-feira.

Oitenta e oito jornalistas foram mortos, um terço a mais do que no ano passado, enquanto as forças de segurança em zonas de conflito diversas reprimiram uma nova leva de cidadãos jornalistas que tentavam documentar as atividades delas, informou o grupo de defesa dos direitos humanos com sede em Paris.

"O número alto de jornalistas mortos em 2012 se deve principalmente ao conflito na Síria, ao caos na Somália e à violência do Taliban no Paquistão", disse Christophe Deloire, diretor geral do RSF, em um comunicado.

Os responsáveis por maus tratos ou pela morte de jornalistas, fotógrafos e cinegrafistas no geral não são punidos, criando um sentimento de impunidade que estimula a ocorrência de novos casos de violência, acrescentou ele.

Na Síria, onde os rebeldes combatem forças leais ao presidente Bashar al-Assad desde março de 2011, as notícias escritas por cidadãos jornalistas em parte preencheram um vácuo deixado pelo bloqueio à reportagem independente.

Imagens das batalhas nas ruas, dos hospitais e da devastação causada por bombardeios feitas por amadores em celulares forneceram material para organizações de notícias tentando retratar a vida no terreno.

"Sem a ação deles, o regime sírio seria capaz de impor um bloqueio total à informação em algumas regiões e executar seus massacres sem ninguém ver", afirmou o RSF.

Sistemas sofisticados de vigilância de dados permitem que os governos rastreiem quem publica a notícia online, assim como sua localização física. Se ameaçados, os cidadãos jornalistas normalmente não têm os meios de buscar segurança fora de seu país.

Embora as forças do governo sejam responsabilizadas pela maioria dos ataques, o Repórteres Sem Fronteiras afirmou que os rebeldes podem estar por trás de algumas execuções na Síria, o lugar mais mortal para jornalistas em 2012.   Continuação...