Órfãos russos deficientes seriam principais vítimas de proibição à adoção pelos EUA

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012 13:39 BRST
 

Por Nastassia Astrasheuskaya e Alissa de Carbonnel

MOSCOU, 26 Dez (Reuters) - Cartões de Natal da família e fotos de crianças sorridentes enviadas por seus pais adotivos norte-americanos preenchem o escritório de Galina Sigayeva na segunda maior cidade da Rússia, São Petersburgo.

Muitos deles eram doentes e precisavam desesperadamente de cuidados médicos antes de sua agência ajudar a organizar a sua adoção para famílias norte-americanas, lembra ela.

Ativistas dos direitos da criança dizem que crianças como estas serão as mais afetadas se o presidente russo, Vladimir Putin, assinar uma lei proibindo adoções pelos EUA que foi aprovada pelos legisladores russos. O ato é uma retaliação contra uma nova lei dos EUA que punirá russos acusados de violações dos direitos humanos.

Os críticos da lei argumentam que os orfanatos russos estão lamentavelmente superlotados e o destino de crianças vulneráveis não deve ser usado como moeda de troca em uma disputa bilateral.

"Essas crianças não são nem oferecidas aos estrangeiros até obterem um certo número de recusas (de adoção) por russos", disse Sigayeva, que dirige a Agência de Serviços de Adoção New Hope Christian.

"São crianças com diagnósticos complicados, realmente complicados. São crianças muito doentes."

Ela sorriu enquanto folheava fotos de crianças abraçadas por seus pais adotivos, brincando com animais de estimação da família e desfrutando de presentes e outros momentos de Natal.

"O que me surpreende é que aqui todas parecem tão saudáveis, tão fantásticas, mas você deveria ver como elas se parecem quando são levadas daqui", contou Sigayeva.   Continuação...