China está "altamente vigilante" sobre caças japoneses em ilhas disputadas

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012 12:10 BRST
 

Por Terril Yue Jones

PEQUIM, 27 Dez (Reuters) - A China está "altamente vigilante" sobre os voos de caças japoneses sobre as ilhas reivindicadas pelos dois países, e o Japão deve assumir a responsabilidade por quaisquer consequências, disseram oficiais militares e marítimos chineses nesta quinta-feira.

Os funcionários, falando um dia depois da posse do novo primeiro-ministro japonês, estavam reagindo ao envio de caças pelo Japão várias vezes nas últimas duas semanas para interceptar aviões de patrulha chineses se aproximando do espaço aéreo acima das ilhas.

A situação na volátil região do Mar da China Oriental complicou severamente as relações entre Pequim e Tóquio.

"Vamos decididamente cumprir nossas tarefas e missões enquanto coordenamos com os departamentos relevantes... de modo a salvaguardar as ações de cumprimento da lei marítima da China e proteger a integridade territorial do país e os direitos marítimos", disse o porta-voz do Ministério da Defesa Yang Yujun, em entrevista coletiva.

O Ministério da Defesa do Japão reconheceu o envio de jatos F-15 em várias ocasiões nas últimas semanas para interceptar aviões chineses de vigilância marítima que se aproximam das ilhas, chamadas de Diaoyu pela China e de Senkaku pelo Japão.

O ministério afirmou que um avião chinês violou o que considera espaço aéreo japonês pela primeira vez em 13 de dezembro.

O governo japonês administra as ilhas e comprou três delas de um proprietário privado no verão passado, o que provocou violentos protestos antijaponeses na China.

O novo primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, prometeu não ceder na disputa sobre as ilhas e aumentar os gastos de defesa para combater a crescente influência militar de Pequim.

A China tem cada vez mais flexionado sua influência política e militar no Pacífico ocidental, afirmando vigorosamente suas reivindicações territoriais, enquanto aumenta suas forças militares.

Brunei, Malásia, Filipinas, Taiwan e Vietnã também reivindicam partes do Mar da China Meridional.