Chefe do Taliban paquistanês diz que grupo negocia, mas não baixa armas

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012 14:47 BRST
 

Por Saud Mehsud

DERA ISMAIL KHAN, Paquistão, 28 Dez (Reuters) - O chefe do Taliban paquistanês disse que o grupo militante está disposto a negociar com o governo, mas não a baixar suas armas, em uma mensagem de vídeo entregue à Reuters nesta sexta-feira.

O vídeo, de 40 minutos, é divulgado após três ataques do Taliban na cidade de Peshawar este mês: um ataque com vários homens-bomba no aeroporto, o assassinato de um político sênior e outros oito em um ataque a bomba, e o sequestro de 22 forças paramilitares na quinta-feira.

Os ataques destacam a capacidade do Taliban para atacar alvos de alto perfil, bem protegidos, mesmo que a parcela de território que controla tenha diminuído e seus líderes sejam pegos por aviões teleguiados dos EUA.

"Nós acreditamos no diálogo, mas não deve ser frívolo", afirmou Hakimullah Mehsud. "Pedir-nos para baixar as armas é uma piada."

No vídeo, Mehsud está sentado segurando um fuzil ao lado de seu vice, Wali ur-Rehman. Oficiais militares dizem que houve uma divisão entre os dois homens, mas Mehsud afirmou que isso era propaganda.

"Wali ur-Rehman está sentado aqui comigo e vamos estar juntos até a morte", disse Mehsud, apontando para o companheiro.

Autoridades paquistanesas não responderam imediatamente aos pedidos para comentar.

O Taliban disse em uma carta divulgada na quinta-feira que queria que o Paquistão reescrevesse a Constituição em conformidade com a lei islâmica, rompesse sua aliança com os Estados Unidos e parasse de interferir na guerra no Afeganistão e se concentrasse na Índia, em vez disso.

Mehsud se referiu ao assassinato do político sênior em seu discurso e disse que o partido dele, o Partido Nacional Pashtun Awami, vai continuar a ser um alvo, juntamente com outros políticos.

O Paquistão deve realizar eleições em março. O atual governo, que chegou ao poder há cinco anos, fechou um acordo com o Taliban em 2009, que permitiu à milícia controlar o vale de Swat, a menos de 100 quilômetros da capital, Islamabad.