Principais cidades chinesas vão facilitar a entrada de migrantes nas escolas

domingo, 30 de dezembro de 2012 13:19 BRST
 

PEQUIM, 30 Dez (Reuters) - As principais cidades chinesas planejam flexibilizar restrições para o acesso dos filhos de trabalhadores migrantes às universidades do país, disse a Rádio Nacional da China no domingo.

Alunos do ensino médio estão restritos a fazer provas de acesso universitário apenas nos locais onde eles foram registrados, determinação que impede que os filhos de trabalhadores migrantes tenham acesso ao ensino superior nas cidades.

Pequim, Xangai e a província de Guangdong, cujas fábricas são um imã para trabalhadores migrantes, vão introduzir gradualmente o acesso às provas para o ensino superior aos estudantes que vivem dentro de suas fronteiras, disse a Rádio Nacional da China.

A partir de 2016, Guangdong vai permitir que crianças migrantes façam as provas e se inscrevam nas universidades em condições de igualdade com os residentes locais.

Pequim e Xangai pretendem flexibilizar acesso às escolas do circuito vocacional. E, em alguns casos, abrir a porta para o ensino universitário aos estudantes que primeiro se formaram em um programa de ensino vocacional.

Crianças migrantes poderão fazer o exame universitário em Pequim a partir de 2013 e em Xangai, a partir de 2014, mas suas inscrições universitárias ainda continuarão a ser feitas em sua cidade natal.

Os filhos de migrantes residentes antigos de Pequim já têm alguns direitos de frequentar escolas do ensino fundamental, mas, na pratica, elas são frequentemente mantidas longe devido aos altos custos, burocracia e procedimentos confusos.