Acusados por estupro coletivo na Índia recebem assistência jurídica

terça-feira, 8 de janeiro de 2013 18:01 BRST
 

Por Sanjeev Miglani

NOVA DÉLHI, 8 Jan (Reuters) - Três dos cinco adultos acusados de participarem do estupro e assassinato de uma estudante indiana no mês passado encontraram finalmente advogados que os representem, depois de serem privados de defesa por causa da indignação da maioria dos advogados com esse caso de grande repercussão.

O caso da aluna de fisioterapia de 23 anos, que morreu duas semanas depois de ser atacada dentro de um ônibus em movimento e em seguida atirada na rua, causou protestos na Índia, abrindo um debate sobre a suposta incapacidade da polícia em coibir a violência contra as mulheres.

Cinco homens e um adolescente foram acusados pelo crime, ocorrido em 16 de dezembro. Por causa da forte reação da opinião pública, porém, os advogados credenciados no tribunal que julga o caso se recusavam a representá-los.

Dois profissionais, no entanto, furaram esse bloqueio e anunciaram na segunda-feira que aceitariam defender os réus.

Na terça-feira, esses dois advogados, V. K. Anand e Manohar Lal Sharma, disseram que três dos cinco réus solicitaram a assistência deles.

"Entendo os sentimentos das pessoas, mas não dá para se levar por sentimentos", disse Anand à Reuters. "Os acusados têm direito à justiça, assim como a vítima."

Juristas dizem que a falta de representação jurídica dos cinco réus poderia dar margem a um recurso caso eles sejam condenados. Várias condenações em casos semelhantes já acabaram sendo revertidas anos depois.

Os cinco adultos envolvidos enfrentam várias acusações, inclusive de homicídio, estupro e sequestro. Promotores disseram que vão pedir a pena de morte para eles.   Continuação...