ENTREVISTA-Assessor de Obama pressiona republicanos a aceitarem mais tributação

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013 14:26 BRST
 

Por Jason Lange

WASHINGTON, 9 Jan (Reuters) - O Congresso dos EUA deve reconhecer, na próxima rodada de negociações sobre a redução do déficit, que o presidente Barack Obama só aceitará um acordo que inclua uma maior arrecadação tributária, disse à Reuters o principal assessor econômico da Casa Branca, Gene Sperling.

A Casa Branca e o Congresso estão em busca de um acordo que permita evitar as medidas de austeridade, manter o financiamento ao governo e reduzir o déficit público em longo prazo.

O líder republicano no Senado, Mitch McConnell, descartou a elevação de impostos como parte de um eventual acordo, mas Sperling disse que uma fatia significativa das verbas adicionais precisará ter origem tributária.

"O presidente não está sugerindo que nesta próxima rodada de redução do déficit tudo gire em torno da arrecadação", disse Sperling em entrevista gravada na terça-feira para o programa "Impact Players", da Reuters TV.

"Ele está apenas sugerindo que continuemos a fazer isso de forma equilibrada, de modo que nosso acordo geral realmente seja de cerca de dois dólares em cortes de gastos para cada dólar na arrecadação."

Republicanos e democratas chegaram a um acordo na semana passada para atenuar o pacote de austeridade que deveria entrar em vigor no começo do ano, e que poderia levar os EUA de volta para uma recessão.

Mas o acordo só adiou por dois meses algumas das medidas mais duras: os cortes de gastos generalizados em áreas como defesa e educação. Além disso, uma medida orçamentária temporária expira em março, e sua não prorrogação pode levar a uma paralisação governamental, como já ocorreu por breves períodos em 1995 e 1996.

Alguns republicanos insistem que as novas discussões sobre o déficit estejam atreladas a um debate sobre autorizar o Tesouro a se endividar mais.   Continuação...

 
Principal assessor econômico da Casa Branca, Gene Sperling, fala durante Cúpula Fiscal sobre Soluções para o Futuro da América em Washington, em maio de 2011. O Congresso dos EUA deve reconhecer, na próxima rodada de negociações sobre a redução do déficit, que o presidente Barack Obama só aceitará um acordo que inclua uma maior arrecadação tributária, disse Sperling à Reuters. 25/05/2011 REUTERS/Jason Reed