Piratas somalis libertam reféns sírios após 2 anos, dizem autoridades

sábado, 12 de janeiro de 2013 13:04 BRST
 

MOGADÍSCIO, 12 Jan (Reuters) - Piratas somalis libertaram três reféns sírios mantidos em cativeiro desde 2010, sem pagamento de qualquer resgate, disseram funcionários do governo no sábado.

Os três faziam parte da tripulação de 19 pessoas de um navio de carga de bandeira do Panamá, de propriedade dos Emirados Árabes Unidos, capturado em dezembro de 2010.

O navio foi liberado em outubro de 2012, depois de piratas terem dito ter recebido 400.000 dólares, mas seis integrantes da tripulação foram mantidos reféns para obtenção de mais dinheiro.

Os piratas que mantiveram os três sob cativeiro foram perdoados, disse à Reuters por telefone Mohamed Aden Tiicey, presidente do governo da região de Adado.

"Nenhum resgate foi pago. Nós tínhamos concordado com os piratas que se renderiam, entregariam as armas e libertariam os reféns sem resgate", disse Tiicey.

O refém Muayad Walio disse à Reuters que ele e seus companheiros de cativeiro estavam com boa saúde.

"Estou muito feliz. Temos nossa liberdade após cerca de dois anos e um mês", disse Walio.

A Somália localiza-se próxima ao movimentado Golfo do Aden. A pobreza e a ausência de um governo enviou muitos jovens à pirataria.

Mas o sequestro bem sucedido de navios teve forte queda desde 2010 devido à patrulha de uma coalisão internacional de navios de guerra e o uso de guardas privados armados em embarcações.

(Reportagem de Feisal Omar e Abdi Sheikh)