Piloto e empresa de avião que sumiu na Venezuela não tinham licenças

terça-feira, 15 de janeiro de 2013 14:38 BRST
 

ROMA, 15 Jan (Reuters) - A companhia aérea e o piloto do avião que desapareceu na Venezuela no dia 4 de janeiro com o executivo de moda Vittorio Missoni, sua esposa e outras quatro pessoas não estavam licenciados para realizar voos, informaram investigadores italianos nesta terça-feira.

A Agência de Segurança Aérea da Itália (ANSV) disse que sua investigação descobriu que a companhia aérea proprietária do avião não era completamente autorizada para operar e que a licença do piloto havia expirado no dia 30 de novembro, mais de um mês antes do voo.

O avião que transportava Missoni, de 58 anos, sua esposa, Maurizia Castiglioni, e outro casal, um tripulante venezuelano e o piloto --que tinha por volta de 70 anos-- desapareceu depois de decolar do balneário de Los Roques, um arquipélago na costa da Venezuela.

A Itália enviou equipes de resgate para ajudar na busca pelo avião.

Missoni é o filho mais velho dos fundadores da casa de moda de mesmo nome famosa por seus exuberantes tricôs coloridos. Ele é um dos sócios da marca com os irmão Luca e Angela, que são responsáveis pelas partes técnica e de desenho da empresa.

(Reportagem de Antonella Cinelli)