15 de Janeiro de 2013 / às 18:08 / 5 anos atrás

Colômbia espera ajuda venezuelana em negociação com Farc mesmo se Chávez morrer

BOGOTÁ, 15 Jan (Reuters) - O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, disse que está otimista sobre a Venezuela continuar apoiando as negociações de paz com a guerrilha Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) no caso de o presidente venezuelano, Hugo Chávez, morrer e ser sucedido no cargo pelo vice-presidente Nicolás Maduro.

Chávez, um líder socialista ferrenho que luta para se recuperar de uma cirurgia para tratar um câncer, desempenhou um papel importante nas negociações entre a Colômbia e as Farc, que tentam pôr fim a quase cinquenta anos de guerra.

"Estou otimista, se Maduro for a pessoa que substituir Chávez, com a continuação do apoio venezuelano", disse Santos em um programa de debate na Rádio Caracol na noite de segunda-feira.

Ele reconheceu a ajuda de Maduro nos estágios iniciais das conversações de paz, que ocorreram em Cuba e entraram na terceira rodada nesta terça-feira, dizendo que Chávez tinha nomeado Maduro para "levar adiante o processo".

Chávez, que faltou à sua própria posse, na semana passada, de um novo mandato de seis anos, não é visto em público nem ouvido desde que foi submetido a uma quarta cirurgia, há um mês. O governante de 58 anos sofre de uma forma de câncer não revelada em sua região pélvica.

O silêncio de Chávez, um notório comunicador, convenceu muitos venezuelanos de que seus 14 anos governando a nação sul-americana poderiam estar chegando ao fim.

Antes de partir para Havana, Chávez fez um apelo para que os venezuelanos apoiem Maduro se o câncer o deixar incapacitado. Desde a operação de 11 de janeiro ele vem sofrendo complicações múltiplas, inclusive uma grave infecção pulmonar, segundo boletins oficiais concisos.

A Constituição da Venezuela diz que uma nova eleição deve ser realizada dentro de 30 dias se o presidente renunciar ou morrer.

Há o temor de que a morte de Chávez possa prejudicar as chances de se chegar a um acordo de paz entre a Colômbia e os guerrilheiros.

A guerra de cinquenta anos na Colômbia desestabilizou as regiões fronteiriças dos vizinhos Venezuela e Equador, tornando essas áreas rotas de trânsito para armas e drogas.

No passado, governos colombianos acusaram a Venezuela em particular de dar aos rebeldes das Farc refúgio e apoio. Mas laços entre Caracas e Bogotá melhoraram dramaticamente desde que Santos assumiu o poder em 2010.

Reportagem de Jack Kimball

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below