Julgamento de Berlusconi é adiado até depois das eleições

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013 16:59 BRST
 

MILÃO, 17 Jan (Reuters) - Um tribunal italiano aceitou adiar para depois da eleição de fevereiro o julgamento em que o ex-premiê e agora candidato Silvio Berlusconi é réu pela acusação de divulgar o conteúdo gravado de um telefonema confidencial.

O caso diz respeito a um escândalo bancário de 2005 e Berlusconi também enfrenta atualmente outros dois processos judiciais pelas acusações de fraude tributária e de contratar uma prostituta menor de idade, conhecida pelo apelido de Ruby.

Os promotores no caso da gravação telefônica pediram pena de um ano de prisão para o magnata das comunicações. O veredicto estava programado para 7 de fevereiro, mas o juiz Oscar Magi o transferiu para 7 de março, depois das eleições parlamentares de 24 e 25 de fevereiro.

Nesta semana, os advogados do político conservador haviam tentado sem sucesso adiar o julgamento do "caso Ruby", alegando que o escândalo sexual poderia ser usado politicamente por adversários.

O caso tratado nesta quinta-feira decorre das suspeitas de que Berlusconi teria pressionado pela publicação do teor de uma gravação telefônica no diário Il Giornale, que pertence a seu irmão Paolo, a fim de prejudicar um adversário político.

A ligação dizia respeito a uma frustrada tentativa da seguradora Unipol para comprar o banco Nazionale del Lavoro, num caso que motivou uma investigação por crimes financeiros.

Na conversa, Piero Fassino, então principal rival de Berlusconi na política italiana, é ouvido perguntando ao presidente da seguradora Unipol: "E então, temos um banco?".

A conversa, que não insinuava nenhum crime por parte do político centro-esquerdista, havia sido preservada por promotores que investigavam uma possível interferência ilícita na frustrada aquisição.

O diretor da empresa contratada pela Justiça para gravar a conversa já foi condenado por furtar a gravação e entregá-la a Berlusconi e seu irmão.   Continuação...