Chávez está entrando em nova fase do tratamento, diz vice-presidente

domingo, 20 de janeiro de 2013 18:01 BRST
 

CARACAS, 20 Jan (Reuters) - O presidente venezuelano, Hugo Chávez, que luta em Cuba para se recuperar de sua última cirurgia contra um câncer, está saindo de um complexo processo pós-operatório e ganhando força para uma nova fase de seu tratamento, disse neste domingo o vice-presidente do país, Nicolás Maduro.

Designado por Chávez como seu eventual herdeiro político, Maduro disse que o presidente está sendo informado sobre o que acontece na Venezuela e que está de bom humor, mas alertou que os detalhes sobre sua saúde serão divulgados através dos meios oficiais.

"Nós sempre somos otimistas de que mais cedo do que mais tarde teremos o presidente aqui conosco", disse Maduro em entrevista à emissora Televén, garantindo que o ânimo de Chávez é "o da vitória".

Chávez, que durante a maior parte de seus 14 anos no poder manteve uma presença constante diante dos venezuelanos, não é visto em público desde que foi operado em 11 de dezembro em Cuba, na quarta cirurgia desde que teve detectado um tumor na região pélvica há um ano e meio.

Embora seu estado de saúde esteja melhorando, de acordo com o governo, seus funcionários reconheceram que Chávez sofreu várias complicações depois da cirurgia de dezembro.

"Chávez está saindo desta primeira etapa tão complexa e difícil, que nos levou a ciclos bastante angustiantes. Mas sempre dissemos a verdade ao povo, ele está se estabilizando em todas as áreas, o funcionamento de seus órgãos, tem plena consciência e está com cada vez mais força vital para entrar na segunda fase, que será anunciada pelos meios oficiais", disse Maduro.

Os aliados do presidente venezuelano asseguram que Chávez segue dando as ordens desde a cama de hospital em que está, mas os líderes da oposição elevam cada vez mais o tom das críticas contra o que classificam de paralisia política, gerada pela renúncia por parte dos altos funcionários em tomar decisões na ausência do presidente.

Se Chávez tiver que deixar o poder ou morrer, novas eleições devem ser convocadas em 30 dias e Maduro seria o candidato do chavismo.

(Reportagem de Pablo Garibian e Daniel Wallis)