Conter mudança climática exige US$700 bi/ano, diz estudo

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013 18:13 BRST
 

Por Alister Doyle

OSLO, 21 Jan (Reuters) - O mundo precisa gastar 700 bilhões de dólares adicionais por ano para controlar seu "vício" em combustíveis fósseis, que é apontado como maior causa da mudança climática atualmente em curso, segundo estudo divulgado nesta segunda-feira pelo Fórum Econômico Mundial (FEM).

Na semana em que líderes de governos e da iniciativa privada se preparam para sua reunião anual no fórum de Davos, na Suíça, as nações permanecem profundamente divididas a respeito de quem deve pagar a conta pela redução das emissões humanas de gases do efeito estufa.

As recessões em nações desenvolvidas desde a crise financeira global de 2008 levaram a uma redução nas emissões, mas também deixaram os governos com menos recursos para investir em tecnologias limpas.

A Aliança de Ação para o Crescimento Verde, que compilou o estudo para o FEM, disse que o gasto extra seria necessário para promover outras formas de geração energética (como a solar e eólica) e uma maior eficiência em setores como construção, indústria e transportes.

Esses 700 bilhões se somam a 5 trilhões de dólares a serem gastos por ano até 2020 em obras de infraestrutura sob o atual cenário.

"Moldar uma economia global adequada ao século 21 é o nosso maior desafio", escreveu no relatório o ex-presidente mexicano Felipe Calderón, presidente da Aliança, um grupo público-privado vinculado ao FEM e criado no ano passado numa reunião do G20 no México.

O estudo disse que um aumento anual de 36 bilhões de dólares nos gastos públicos globais contra a mudança climática, passando de 90 para 126 bilhões por ano, poderia desencadear um investimento privado ainda maior, num valor de até 570 bilhões de dólares por ano.

Mas os governos e a iniciativa privada nem sempre têm conseguido trabalhar conjuntamente na questão climática.   Continuação...