January 22, 2013 / 7:13 PM / 5 years ago

Farc atacam oleodutos e lançam bomba contra trem na Colômbia

3 Min, DE LEITURA

BOGOTÁ, 22 Jan (Reuters) - Guerrilheiros das Farc dinamitaram dois oleodutos no sul da Colômbia e lançaram uma bomba contra um trem que transportava carvão, disseram autoridades nesta terça-feira, nos primeiros ataques do grupo contra a infraestrutura do país desde o fim de um cessar-fogo unilateral declarado pelos rebeldes no início do atual processo de paz.

A trégua tinha validade de dois meses e expirou no domingo. No mesmo dia, os rebeldes detonaram uma bomba no Oleoduto Transandino, no município de Orito, no Departamento de Putumayo, fronteiriço com o Equador. O ataque provocou vazamento de óleo e um incêndio, segundo uma fonte da empresa Ecopetrol.

O oleoduto de 306 quilômetros, com capacidade para 48 mil barris diários, liga os campos de produção de Orito ao porto de Tumaco, no Pacífico, de onde o produto é exportado.

Horas depois, as Farc destruíram com explosivos quatro trechos de um pequeno oleoduto que liga vários poços do Departamento de Putumayo a um centro de armazenagem, também segundo a fonte da Ecopetrol.

O Exército e a polícia atribuíram os ataques às Farc, que mantêm importante presença nessa região de selva da Colômbia.

Já na noite de segunda-feira, uma bomba foi detonada à passagem de um trem com carvão no Departamento de La Guajira, no nordeste colombiano. Fontes militares atribuíram esse novo atentado às Farc, guerrilha que é qualificada como um grupo terrorista pelos Estados Unidos e a União Europeia.

A empresa Cerrejón, dona do trem, disse que o ataque não causou vítimas e que a operação da ferrovia continua normal.

Principal empresa carbonífera da Colômbia, a Cerrejón pertence em partes iguais às mineradoras BHP Billiton, Anglo American e Xstrata e produziu 34,6 milhões de toneladas no último ano.

Cerrejón é também o nome de uma mina a céu aberto em La Guajira. Ali há também um porto marítimo de grande capacidade e uma ferrovia de 150 quilômetros.

Nos meses que antecederam ao início do processo de paz com o governo, em novembro, as Farc haviam intensificado seus ataques a oleodutos e a outros itens da infraestrutura econômica colombiana.

Nos dez primeiros meses do ano passado, houve 142 ataques a oleodutos, um aumento de 173 por cento em relação ao mesmo período de 2011, segundo o Ministério da Defesa.

O governo colombiano, que nos últimos dez anos enfraqueceu as Farc com uma campanha militar apoiada pelos Estados Unidos, recusou-se a declarar um cessar-fogo no início das negociações que acontecem em Cuba e que envolvem cinco grandes temas: política agrária, garantias para o exercício da oposição política, fim do conflito, solução para o narcotráfico e compensação às vítimas.

Reportagem de Luis Jaime Acosta

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below