Desemprego na Espanha sobe sem sinais de alívio próximo

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013 10:40 BRST
 

MADRI, 24 Jan (Reuters) - A taxa de desemprego na Espanha subiu para o seu maior nível desde que as medições começaram, na década de 1970, enquanto uma longa recessão e grandes cortes de gastos deixaram quase 6 milhões de pessoas sem postos de trabalho no ano passado.

A taxa de desemprego espanhola subiu para 26 por cento no quarto trimestre de 2012, ou 5,97 milhões de pessoas, de acordo com dados do Instituto Nacional de Estatísticas espanhol divulgados nesta quinta-feira, um valor maior que os 25 por cento regitrados no trimestre anterior e mais que o dobro da média da União Europeia.

"Nós ainda não vimos o fundo do poço e o desemprego vai continuar a aumentar durante o primeiro trimestre, disse o estrategista do Citigroup, José Luiz Martinez.

A Espanha entrou em sua segunda recessão desde 2009 no final de 2011, após o estouro da bolha imobiliária deixar milhões de trabalhadores de baixa qualificação desempregados, derrubando a confiança do setor privado e reduzindo os gastos de consumidores e com importações.

Os esforços do governo do primeiro-ministro Mariano Rajoy para controlar um dos maiores déficits da zona do euro através de bilhões de euros em cortes de gastos e aumentos de impostos têm alimentado um mal-estar geral, dificultando ainda mais a demanda.

Quando Rajoy assumiu o cargo, no final de 2011, havia 5,27 milhões de desempregados na Espanha.

(Por Tracy Rucinski)

 
Pesssoas esperam em fila em busca de empregos em Madri. Desemprego na Espanha subiu e atingiu a marca de 26 por cento da população do país. 03/01/2013. REUTERS/Susana Vera