Francesa envolvida em polêmico caso penal no México deixa prisão

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013 14:11 BRST
 

Por Alexandra Alper

CIDADE DO MÉXICO, 24 Jan (Reuters) - A francesa Florence Cassez, condenada a 60 anos de prisão por sequestro no México, foi libertada na quarta-feira depois que a Suprema Corte ordenou a sua libertação por considerar que seus direitos humanos foram violados durante a detenção e processo judicial.

O caso gerou polêmica no México, com organizações civis alegando que a decisão foi uma afronta aos direitos das vítimas do sequestro, enquanto outros disseram que houve irregularidades durante a detenção e julgamento da francesa, e era insustentável que ela continuasse na prisão.

Florence, de 38 anos, foi presa em 2005 com seu namorado mexicano durante uma operação policial em uma fazenda perto de Cidade do México, contra um sequestro. Várias pessoas foram mantidas reféns por uma quadrilha chamada "Os Zodíacos".

"Será concedido amparo da Justiça Federal (...) para Florence Marie Louise Cassez Crepin contra a autoridade", disse o ministro Jorge Pardo, presidente da Primeira Seção do Supremo Tribunal de Justiça da Nação (SCJN), após a votação sobre o caso.

Os advogados de defesa argumentaram que houve violação de direitos humanos, porque no momento da detenção não foi dada assistência consular a tempo. Para familiares de vítimas da quadrilha, a decisão demonstra impunidade.

Florence deixou a prisão onde estava detida, no sul da Cidade do México, escoltada pela polícia e horas depois embarcou em um avião da Air France com destino a Paris, acompanhada por seu pai.

A decisão proferida pelo tribunal, pelo voto de 3 votos a favor e 2 contra entre os cinco ministros que o compõem, considerou que os direitos de Florence foram violados, mas não se pronunciou sobre a responsabilidade pelos crimes dos quais foi acusada.

O tribunal recusou em março do ano passado a libertação de Florence, que passou sete anos na prisão.

(Reportagem adicional de Lizbeth Díaz)

 
Florence Cassez (E) fala durante coletiva de imprensa ao lado do chanceler francês, Laurent Fabius, depois de chegar ao aeroporto Charles de Gaulle, perto de Paris. 24/01/2013 REUTERS/Pascal Rossignol