FMI chega a prazo sem acordo sobre reforma em votações

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013 09:11 BRST
 

Por Lesley Wroughton

WASHINGTON, 31 Jan (Reuters) - O Fundo Monetário Internacional (FMI) falhou em cumprir nesta quinta-feira o prazo imposto a si mesmo para definir uma nova fórmula que determine o poder de voto dos países membros, de forma a dar mais voz a economias emergentes.

Há dois anos os países membros do FMI debatem detalhes da fórmula que deveria refletir a ascensão da China, Brasil e outras grandes economias emergentes.

O FMI disse que pretende finalizar a fórmula até janeiro de 2014, quando irá revisar novamente o peso do voto de cada membro.

Em nota na quinta-feira, a instituição disse ter havido "importante progresso na identificação de elementos-chaves que possam formar a base para um acordo final sobre uma nova fórmula para a cota".

"O conselho teve uma série iluminadora de discussões no último ano, e os membros estão agora em boa posição para definir uma fórmula melhorada no contexto da próxima 15a revisão geral das cotas", disse a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, na nota.

As economias emergentes culparam a Europa por resistir a uma mudança que enfraqueceria seu tradicional domínio sobre o fundo.

Paulo Nogueira Batista, diretor-executivo que representa o Brasil e dez outros países, lamentou a falta de acordo após dois anos de negociações, e alertou que o FMI pode perder credibilidade se não for reformado.

Ele disse que as reformas na governança do fundo praticamente pararam desde 2011, quando o FMI deixou de implantar mudanças nas votações acertadas em 2010.   Continuação...