31 de Janeiro de 2013 / às 15:58 / em 5 anos

Palestinos aprovam relatório da ONU que critica assentamentos de Israel

Por Noah Browning

Palestinos que atiravam pedras protegem-se do gás lacrimogêneo lançado por forças de segurança israelenses durante confrontos em campo de refugiados em Belém, na Cisjordânia. Palestinos saudaram um relatório do Conselho de Direitos Humanos da ONU altamente crítico aos assentamentos judaicos na Cisjordânia ocupada, dizendo que isso justificava sua luta contra Israel. 24/01/2013 REUTERS/Ammar Awad

RAMALLAH, 31 Jan (Reuters) - Palestinos saudaram um relatório do Conselho de Direitos Humanos da ONU nesta quinta-feira altamente crítico aos assentamentos judaicos na Cisjordânia ocupada, dizendo que isso justificava sua luta contra Israel.

A investigação da ONU, que foi boicotada pelo Estado judeu, pediu a Israel para interromper a construção de assentamentos incondicionalmente e começar a remover todos os 500 mil colonos israelenses dos territórios ocupados imediatamente.

“Isso é incrível. Estamos muito animados com esta avaliação sincera e com princípios das violações israelenses”, disse Hanan Ashrawi, um alto funcionário da Organização de Libertação da Palestina (OLP).

O relatório da ONU, publicado em Genebra, afirmou que os assentamentos violam a Quarta Convenção de Genebra, que proíbe a transferência de populações civis para território ocupado, e poderia constituir crimes de guerra, que estão sob a jurisdição do Tribunal Penal Internacional (TPI).

No ano passado, os palestinos ganharam um voto na Assembleia-Geral das Nações Unidas conferindo-lhes reconhecimento de Estado de facto em territórios que Israel capturou em 1967 na guerra do Oriente Médio.

O status diplomático reforçado lhes dá acesso a muitos órgãos mundiais, incluindo o TPI, e os líderes palestinos disseram que poderiam tentar enfrentar Israel no tribunal, a menos que o país pare os assentamentos e se envolva em negociações significativas.

“O relatório confirma e aprofunda a aplicação do direito internacional e mostra que a lei se aplica a todos, e ninguém está acima dela”, afirmou à Reuters o porta-voz do governo palestino, Nour Odeh.

O Ministério das Relações Exteriores de Israel condenou o relatório como “contraproducente e infeliz”, acrescentando que a única forma de resolver a disputa era através de negociações diretas.

Negociações mediadas pelos EUA entre os dois lados fracassaram em 2010 sobre a questão da construção de assentamentos. Os palestinos dizem que não vão retomar as negociações até que as construções parem. Israel diz que não deve haver pré-condições.

O Fatah, partido que detém o domínio sobre áreas controladas pelos palestinos na Cisjordânia, disse nesta quinta-feira que as violações israelenses dos direitos estavam minando as chances de paz.

“(O Fatah) não vê nenhuma oportunidade real para a retomada do processo de paz e as negociações com a continuidade da política de expansão dos assentamentos, especialmente em Jerusalém, que iria destruir o princípio de uma solução de dois Estados”, disse em um comunicado.

“(O partido) rejeita esquemas duvidosos para acabar com a causa palestina através de qualquer Estado temporário, ou outras soluções que prejudiquem o direito dos nossos povos à autodeterminação. As regras do conflito mudaram.”

Israelenses tomaram Jerusalém Oriental na guerra de 1967 e posteriormente anexaram o território, proclamando a cidade como sua “eterna e indivisível” capital. Os palestinos querem criar a capital do seu próprio Estado na metade oriental de Jerusalém.

Israel chamou as manobras de palestinos em organismos internacionais de “terrorismo diplomático”, enquanto o presidente palestino, Mahmoud Abbas, disse na semana passada que uma “guerra jurídica, diplomática” na arena da ONU era uma opção justa para o seu governo.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below