Milhares de cambojanos acompanham cremação do ex-rei Sihanouk

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013 13:35 BRST
 

Por Prak Chan Thul

PHNOM PENH, 4 Fev (Reuters) - Dezenas de milhares de cambojanos se reuniram nesta segunda-feira para prestar suas últimas homenagens ao ex-rei Norodom Sihanouk, uma figura quixotesca e muito amada que reinou durante a luta do país pela independência, mas foi impotente para evitar décadas de guerras.

Salvas de artilharia emocionaram a multidão que se juntou ao longo do rio Tonle Sap, em Phnom Penh, enquanto o corpo embalsamado do ex-monarca, que morreu aos 89 anos de insuficiência cardíaca, em 15 de outubro, era cremado em um caixão de ouro no Palácio Real.

O atual rei Norodom Sihamoni, e a viúva de Sihanouk, a rainha Monineath, choraram durante a cremação enquanto cambojanos chegavam à capital para lamentar o "rei-pai", como Sihanouk era conhecido.

"Este é o momento mais triste", disse Pal Ho, de 58 anos, morador da província ocidental de Pursat, que levava seis fotos de Sihanouk.

"Quando o rei morreu, as pessoas ficaram muito tristes. Mesmo nós que vivemos tão longe viemos prestar nossas últimas homenagens", disse ela, antes da cremação.

As elaboradas cerimônias do funeral budista começaram na sexta-feira. A partir daí, as estações de televisão, rádio e restaurantes passaram a tocar músicas compostas ou cantadas por Sihanouk.

Sihanouk ajudou o país a conquistar a independência na luta contra o domínio colonial francês, mas depois foi incapaz de impedir que seu país fosse arrastado para a guerra do Vietnã, apesar de suas manobras políticas que, segundo os críticos, acabaram conduzindo o país ao caos e aos campos da morte do Khmer Vermelho.

Mesmo assim, Sihanouk era reverenciado pela maioria dos cambojanos, e poucos o criticavam.

(Reportagem de Martin Petty)