Chanceler iraniano vê mudança na abordagem dos EUA

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013 17:38 BRST
 

Por Stephen Brown

BERLIM, 4 Fev (Reuters) - O chanceler iraniano, Ali Akbar Salehi, disse na segunda-feira que a oferta de diálogo lançada no fim de semana pelo vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, é parte de uma nova abordagem adotada por Washington no trato com Teerã.

O Irã há anos vive num impasse com potências ocidentais por causa do seu programa nuclear. Teerã insiste no caráter pacífico das suas atividades, enquanto os EUA e outros governos suspeitam que a real intenção do governo iraniano seja desenvolver armas atômicas.

"Como eu disse ontem, estou otimista, sinto que essa nova administração está realmente desta vez pelo menos buscando se desviar da sua abordagem tradicional anterior com relação ao meu país", disse Salehi ao Conselho Alemão de Relações Exteriores.

Salehi participou no fim de semana da Conferência de Segurança de Munique, onde Biden fez a oferta. Embora se declarando otimista, ele deixou claro que as mais de três décadas de rompimento diplomático deixaram sequelas. "Como confiamos outra vez nesse novo gesto?", disse ele.

O chanceler disse torcer para que o presidente dos EUA, Barack Obama, mantenha em seu segundo mandato o que ele viu como uma promessa de "sair das guerras e de abordagens que trazem destruição, mortes e derramamento de sangue". Ele não entrou em detalhes.

As negociações a respeito do programa nuclear iraniano, envolvendo Irã, EUA, Rússia, China, Grã-Bretanha, França e Alemanha, estão paralisadas desde uma reunião em junho. Funcionários da União Europeia acusam o Irã de protelar há semanas a definição de uma data e um local para a retomada do diálogo.

"Acho que é hora de ambos os lados realmente se envolverem, porque um confronto certamente não é o caminho", disse Salehi em Berlim, referindo-se aos EUA. "E outra coisa: essa questão do assunto nuclear está se tornando chata."

A União Europeia disse no fim de semana que propôs retomar as negociações na semana de 24 de fevereiro no Cazaquistão. Salehi, que é físico e já foi embaixador do seu país na Agência Internacional de Energia Nuclear, disse que essa é uma "boa notícia". A UE informou, no entanto, que o Irã ainda não aceitou oficialmente a proposta.   Continuação...